Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Dô di dô 1.jpg

Grupo "Lombianos", do Carnaval no Mindelo, anos 40/50. Foto arquivo Jorge Martins

 

 

Ao Amigo Humbertona, uma fonte de memórias

 

 

Já-m conchia São Vicente
Na sê ligria, ne sê sabura
Ma'm ke pud fazê ideia
S'na carnaval era más sab

São Vicente e um brasilin
Chei di ligria, chei di cor

……………….

 

Eu já conhecia São Vicente
Na sua alegria, na sua vida agradável
Mas não fazia ideia
Que no Carnaval ainda era melhor

 

São Vicente é um pequeno Brasil
Cheio de alegria, cheio de cor

……………….

 

 

Que “São Vicente é um brasilin”, o trovador Pedro Monteiro Cardoso Rodrigues (n. Fogo, 11.11.1945) já o tinha dito e Cesária Évora, a nossa Cize, levou essa ideia a dar a volta ao mundo, isso já toda a gente sabia.

 

Que o Carnaval do Mindelo é em tudo parecido com o Carnaval do Rio de Janeiro, muita gente também já o sabia.

 

Que foi um “alumbramento” para os nossos escritores regionalistas claridosos descobrir a moderna literatura brasileira, muita gente já o sabia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Múrcia.jpg

O primeiro romance de temática cabo-verdiana é, sem dúvida, O Escravo, de Evaristo d’Almeida (Portugal, 1810? – 1856?), publicado em 1856 (na verdade, dado a conhecer ao grande público em 1989, quando saiu a segunda edição) cuja acção decorre em Santiago, na Vila da Praia.

 

Que se saiba, depois disso e até à publicação do romance Os Dois Irmãos (1998), de Germano Almeida (Boa Vista, 1945), a ilha de Santiago não foi objecto, enquanto locus central, de nenhuma outra obra literária de ficção. Em 2010 Germano Almeida voltou com A Morte do Ouvidor, um romance histórico sobre a elite da Ribeira Grande de Santiago dos anos setecentos.

 

Em 2015 apareceu o romance Papa por uma Noite, estreia em ficção de David Hopffer Almada (Santiago, 1945) e, mais recentemente, em finais de 2016, A Ponte de Kayetona, estreia de Eurydice (Eurídice Monteiro, Santiago, 1981). Em todas essas obras o espaço da acção é o interior da ilha de Santiago, designadamente, Santa Catarina, Ribeira Grande e Calheta de São Miguel.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Alice Matos

    Nem na minha infância, quando entoava o "dô di dô"...

  • M. Odette Pinheiro

    Obrigada, Manuel, por não deixares completamente n...

  • Anónimo

    Agradeço em nome da família, a homenagem e reitero...

subscrever feeds

Powered by