Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dia do Pai, Saudades do Velho!

Brito-Semedo, 19 Jun 11

Por Álvaro Ludgero Andrade, Jornalista

 

Hoje é Dia do Pai, nos Estados Unidos, onde me encontro, e em vários outros lugares. Republico aqui um post que escrevi há três anos por ocasião do dia de aniversário do meu pai, caso ele estivesse vivo. Uma homenagem!

 

20 de Novembro de 1915, nascia o meu pai, Álvaro Barbosa Andrade, em Cabeça de Carreira, Santa Catarina. Quando vim ao mundo ele tinha 48 anos e, portanto, não pude aprender com ele a nadar, como aconteceu com os meus irmãos Lidia e David, ou jogar futebol, que ele tanto sabia, como me contaram alguns amigos dele. Por ser um defesa inultrapassável, ele ganhou a alcunha de "Tubarão".

 

Álvaro Barbosa Andrade

 

Na minha adolescência, senti o peso da sua forte presença na educação e formação do meu carácter, mas quando regressei dos estudos no exterior, com 22 anos, ele já se tinha reformado. Olhando para trás, gostaria de ter compartilhado mais tempo com ele na infância, na adolescência e na juventude. Uma lição que aprendi e que procuro, a todo o custo, colocar em prática com os meus filhos.

 

Aqueles que nos conhecem, dizem que me pareço muito com o meu pai, tanto no físico, como em determinados aspectos da minha personalidade, o que para mim é um "orgulho". Gosto muito dele e tenho guardado algumas lembranças que me deixaram profundas marcas.

Nununo, como era conhecido pelos mais próximos, era o humor em pessoa. Para ele, o humor era um estilo de vida e não um simples momento alegre ou de contar anedotas.


A frontalidade era uma das suas principais características. Nunca o vi mudar de opinião devido às transitórias circunstâncias da vida. Talvez o tenho feito – quem não o faz!!?? – mas a memória que tenho dele é de uma pessoa cuja palavra era mais importante do que a posição social, conta bancária ou pretensões.

 

Álvaro, Isaura (esposa) e Alvarito Andrade


Nununo sabia entender as pessoas, via na alma, dizem alguns. Às vezes a paciência não abundava – que o digam a Lidia, o David e a suas pernas –, mas no meu caso, talvez devido à idade avançada, encontrei nele alguém que me entendia, embora não estivesse sempre de acordo. Muitas vezes batemos de frente em conversas sobre política, futebol e religião.


Por exemplo, engoliu a seco a minha opção pelo jornalismo e não poucas vezes me pediu que tivesse cuidado, principalmente na cobertura de assuntos políticos. Quando critiquei a invasão do Panamá pelos Estados Unidos, em 1999, ele ouviu da boca do cônsul americano que eu nunca entraria no país. Outra vez, mostrou-se preocupado, mas nada mais.


Os seus colegas, principalmente os mais novos, sempre encontraram nele um amigo, um conselheiro. As conversas eram longas, mas produtivas, segundo me contaram alguns. E, ao contrário do que acontece, os jovens gostavam de estar junto dele e como sempre o futebol era o cartão de visita para um bate-papo.

 

Poderia escrever páginas e páginas de recordações do meu pai, mas vou deixar aqui apenas duas referências que considero marcantes. Em Outubro de 1999, eu estava em Moçambique e ele adoeceu. Nesse período comentou com um familiar: "o Alvarito não vem todos os dias visitar-me, mas sei que posso chamá-lo a qualquer momento".

O segundo episódio aconteceu no seu último ano de vida. Depois de uma discussão banal, ele me acusou sem razão. Quando à tarde fui apanhá-lo na Pracinha da Escola para levá-lo para a casa, a primeira coisa que fez foi pedir-me desculpas. Aos 83 anos! Um pai pedir desculpas ao filho??!!


Isso não é para qualquer um. Só para homens com H grande e tamanha verticalidade.

 

Por isso, Deus lhe concedeu aquele que talvez foi o seu último pedido. No dia 31 de Dezembro de 1999, disse que tinha terminado a sua missão aqui na terra e que se Deus quisesse podia levá-lo em paz. Três dias depois ele falecia, sem chorar nem sofrer.

Chorei pouco com a partida dele porque sabia que ele estava feliz onde se encontrava. Mas depois de tantos anos tenho saudades do pai! E sinto falta das suas orações, sempre às 3 da manhã!

in Blog do Álvaro 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

3 comentários

De João Sá a 20.06.2011 às 04:24

Bom dia e votos de uma boa semana :)
O Na ESquina do Tempo está em destaque na homepage dos Blogs do SAPO Cabo Verde.

De Brito-Semedo a 20.06.2011 às 12:41

Caríssimo, Obrigado pelos destaques! Votos de boa semana!

De João Sá a 20.06.2011 às 12:55

Eu que agradeço mas a título pessoal o tanto que tenho aprendido e o tanto que os olhos se têm maravilhado de imagens e memórias nesta sua Esquina.

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by