Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

'Sclôcks / Jóts' (5)

Brito-Semedo, 14 Set 11

 
Fotos Djibla
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

8 comentários

De Valdemar Pereira a 14.09.2011 às 19:41

Penso que o Guste Cavirinha , que foi um dandy da Rua da Luz e Praça Estrela, não era "sclok". Ele  era mesmo bastante esperto, dotado de humor, e sabia tirar partido disso com suas saidas de fazer rir qualquer um. Nomeadamente quando se encontrava no meio dos rapazins buzode.

Ele merecey uma letra especial na mùsica "Cavalerie", escrita pelo senhor Sérgio Frusoni, que foi interpretada pelo filho Franco no primeiro teatro do Castilho.
Espero que o Fernando venha confirmar antes que apareça contestação.

De Brito-Semedo a 14.09.2011 às 19:51

Obrigado, Amigo, Dou as mãos à palmatória pela classificação abusiva do Guste Cavirinha como sclôck". Fiquei agora curioso e, eventualmente, outros leitores do "Na Esquina", sobre o a 'letra' de Sérgio Frusoni . Lembro-me vagamente de ouvir cantarolar essa musiquinha. Será que o filho vai aparecer por aqui para participar da nossa conversa? Braça!

De Valdemar Pereira a 14.09.2011 às 21:01


Perante a sua resposta, fico pesaroso, amigo. Não fique "atingido" porque o nosso homem, apesar de tudo, pode bem figurar mas como um...  "exotico" porque não era verdadeiramente 100%.
Continuo a dizer que ele era um esperto que aproveitava das condições.
Senão, espero que apareça o Fernando a dizer qualquer coisa sobre a letra do Pai.
Um braça rije moda na nôs terra.

De Adriano Miranda Lima a 15.09.2011 às 07:44


O Valdemar está certo quando afirma que o Guste Cavirinha não era um “scloque”, apenas um exótico ou, diria eu, daqueles mais genuínos intérpretes das cenas cómicas e humorísticas que caracterizavam o Mindelo do seu (nosso) tempo. O Cavirinha será lembrado como das figuras populares mais típicas da nossa cidade.

De Anónimo a 15.09.2011 às 16:26

Eu era rapazinho quando conheci o Augusto Cavirinha . Ele era " basofe p' afronta ". O meu irmao Franco, utilizando a marcha dos nortistas americanos, escreveu palavras brincalhonas sobre as aventuras fantasticas que faziam parte do imaginario de Augusto Cavirinha. O Franco  cantou esta marcha no teatro Castilho. Aqui vai um cheirinho da marcha:
" Quem conhece o grande aventureiro
Augusto Cavirinha
Natural de S.Vicente
Ele diz  deu volta ao mundo inteiro
Chegou até a Lua ......de carro ( nao me lembro bem )
Cavirinha, Caavirinha
La na Lua nao ha gente para enganar.."

De Fernando Frusoni a 15.09.2011 às 16:32

Entrei como anonimo por nao ter o blog no Sapo. Sou Fernando Frusoni.

De Brito-Semedo a 17.09.2011 às 18:25

Obrigado, Amigo, pelo seu depoimento com evocação de memória. O gestor do blog e os leitores agradecem! Braça!

De Adriano Miranda Lima a 15.09.2011 às 20:38


Intervenho de novo para dizer que gostei muito de ver aqui relembrada a fisionomia do Guste Cavirinha. Deixei de o ver a partir de 1962, portanto já lá vão 49 anos, praticamente meio século.  Ao ler as storias do Zizim Figueira, que o retratou algumas vezes, eu tentava reconstituir mentalmente os traços fisionómicos do nosso homem, mas certamente já com alguma imprecisão causada pelo esbatimento da memória. Por isso, é bem vinda a foto. É extraordinário como aquilo que rodeou a nossa infância nos marca para sempre, mesmo que alguns detalhes físicos se vão esboroando com o tempo. Onde a memória da realidade física falha o coração complementa com impressões que são do domínio já quase metafísico.

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by