Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

"Mam Bia tita contá estória na criol"

Brito-Semedo, 11 Set 11

 

Estória.jpeg

Recordando a minha infância e as histórias tradicionais que as criadas dos meus avós me contavam, passei mais tarde a contá-las aos meus filhos. Um deles já pai, também me dizia, ‘Mamã, conta à minha filha aquelas histórias que nos deleitavam quando éramos pequenos.

 

Daí que comecei a relembrar muitas dessas histórias e, a pouco e pouco, fui passando-as para o papel. Pena é que algumas têm música ou cânticos mas não me é possível transcrever a música. Algumas são em crioulo de Santiago e outras em crioulo de Barlavento. Engraçada é a crença das contadeiras de histórias de então. A nossa cozinheira, Nha Piti era o nome dela, dizia que não se contavam histórias antes do pôr-do-sol. Porque se ficavam com os olhos pelados”.

 

Em criança, acreditava e era com uma impaciência que eu ficava observando o pôr-do-sol atrás do vulcão do Fogo que eu via à distância onde morava com o meu pai, em Galo-Canta. Penso que esse nome talvez venha dos galos que sempre cantavam aí de madrugada. Algumas histórias no final do livro são da minha autoria, tais como ‘Os Ovinhos de Páscoa’, ‘O Cãozinho que Viajou para o Mundo dos Passarinhos’, ‘Vida de Gatos’ e ‘A Tartaruguinha Verde’. Na minha memória ficaram ainda gravadas cantigas de algumas dessas histórias.

 

A minha avó materna e as minhas tias também me contavam histórias, e como eu adorava.

 

Espero que os meus pequenos leitores também venham a gostar dessas histórias oriundas dos povos destas ilhas, os tradicionais ti Lobo e Chibinho, os Príncipes e Princesas, o Senhor Rei, as velhas feiticeiras, a Ti Ganga, etc.

 

Ivone Aida, “Prólogo”

 

Título: Mam Bia tita contá estória na criol

Autor: Ivone Aida

Edição: Edição da Autora

Ano de Edição: S. Vicente, 2009


Bonecas.jpeg

Bonecas de pano, confecionadas pela escritora e artista Ivone Aida Fernandes Ramos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De M Conceição Fortes a 12.09.2011 às 03:02


 
Estória, estória...fortuna do céu, Amen! Assim começavam os serões de outrora, que faziam as delícias da criançada que ouvia atentamente e dos adultos que, quando se atrapalhavam, sempre iam acrescentando, com muita criatividade, mais algun...s parágrafos que em nada deturpavam a moral da estória. Ouvíamos repetidamente as mesmas quase todas as noites e ninguém reclamava. Acredito que o nosso primeiro contacto com a língua portuguesa foi através de muitas dessas estórias e canções de roda que, por passarem de boca em boca, algumas até já vinham contadas e cantadas com um misto de português-crioulo, dando-lhes um sabor cómico que animava o serão. Mas o pior de tudo era quando sonhávamos com "gongon", aquele coitado que pagou muitas favas mas que afinal, nada de mal causou aos meninos da época. Hoje os gongons surgem com outra "roupagem", metendo medo não só às crianças como aos adultos e, em casos como o que hoje se evoca (o atentado de 11 de Setembro em Nova Iorque), espalhando mundialmente o pânico.

De João Sá a 12.09.2011 às 03:52

Bom dia e uma boa semana e para que o seja, este post começa a semana em destaque Na Rede na homepage do SAPO Cabo Verde.

De Adriano Miranda Lima a 12.09.2011 às 20:12

Felicito a Ivone Aida por esta sua obra, que fala de nós mais do que à primeira vista pode parecer. Decerto que qualquer cabo-verdiano das gerações mais velhas apreciará ter na sua estante este livro. E os das gerações mais novas têm de roubar um pouco de tempo ao computador, ao Ipad e ao Ipod  para ouvirem a Mam Bia. Nenhum instrumento moderno de recreação consegue realizar a expectativa que a Mam Bia punha nos nossos palpitantes  corações... logo que Sol ta cambá na horizonte.

De ana paris a 13.09.2011 às 01:53

Um dos melhores tempos da minha existência ouvindo estórias e mais estórias que os mais velhos nos contavam, às vezes, como fazia o meu irmão Cândido, em troca de umas colheradas de cachupa ou uma guloseima qualquer ... em noites enluaradas, como que hipnotizadas sentava-mos na calçada da nossa casa, em Chã de Cemitério, sedentes pelo final, tremendo ou não de medo consoante o conto com um entusiasmo simplesmente magnético. Ó tempo, volta para trás ...

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

Powered by