Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Umbertona! Manhã

               ‘m ta ba lançode pa s’ilha

Bô ta tem n’hum sinal d’amor

Pame levâ bôs gente?

 

Não ‘m ta sec

broken

dsorientode c’ma carangueje

 

Ma bô catem

n’nhum cantiga d’exilode

Daquês sem palmanha

nem boquinha de note

pame levá boca de pove?

 

Bai! bô dzê Soncent

c’ma sombra dnha corpe ê cruz

Longe de sol dnha terra

ta rolâ na África

ta rolâ n’Iropa

ta tolâ na Merca

ta rolâ na mapa

ta rolâ na munde

 

Bai! bô dzê Porte-Grande

Pa ca tchomo-me sodade

Paquê nha nome ê sangue

E sangue de na sodade ê

C’ma sol dnha terra longe

Palmanhã

Sperança na Monte Verde

 

Dnote

dsuspère na Monte Cara

 

Bai! bô dzê Monte Cara

C’ma suor dnha coraçon ê mar

E arve dnha corpe ê navi

C’se mar na costa

C’se pé na tchon

n’orela d’munde ta bai

C’mo rio Jordão ta corrê

p’iternidade de Criste

 

Recode! bai bô dzê

pove de Tchuba Tchobê

C’ma se pedra di tchon ê letra

Planta dnha pê ê scola

Paquê

Nha pê ê lorg

nha pê ê grande

E munde

ê um didal na nha dedona

 

– Corsino Fortes, in A Cabeça Calva de Deus, 2001

 

 

Corsino António Fortes

 

(S. Vicente, 14 de Fevereiro de 1933)

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

Powered by