Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Foto Valdemar Pereira

 

On va la regretter. C'est sûr!!!

 

Esta é a reacção de uma Vereadora da Cultura quando soube da notícia da paragem da Cize.

 

Ao saber da notícia, com saudade, dei um balanço dos espectáculos que assisti nesta cidade e nos arredores e dos encómios que ouvia de cada um como se fosse da sua família. Família não mas, amigos. Conheci essa irmã de amigo e amiga, ela tinha apenas 8 anos e só a revi em Lisboa de onde partiria para encetar a sua brilhante carreira internacional.

 

Nestas paragens, num círculo de uns cem quilómetros de raio, desloquei-me (sempre com uma caravana de amigos) para assistir às suas actuações e fotografar esses admiradores que aproveitavam do conhecimento para a felicitar e eternizar o encontro.

 

De todos as actuações me lembro mas as que mais marcaram foram as da célebre Cidade du Mans, pelas suas "Corridas de 24 Horas", e no "Espace André Malraux" (Joué-lès-Tours) com mil e duzentos lugares, insuficientes para receber o dobro de pedidos de lugares que se esvaziaram seis meses antes da actuação, sem que tivessem colados os cartazes. Nessa vez e na "La Pleiade", Cesária podia encher uma segunda sala no dia seguinte se não houvesse outros compromissos.

 

Foto Valdemar Pereira

 

A primeira manifestação dos arredores foi na Abadia de Fontevreaux (1992 ?), a seguir foi em Março de 1993, em "La Pleiade", da cidade de "La Riche". Seguiu-se "Les Halles aux Grains", em Blois (9 de Novembro de 1993), no "Palais du Congrés du Mans" (8 de Março de 1997) e, finalmente, em Joué-lès-Tours, cidade limítrofe desta capital da Touraine, no citado "Espace André Malraux" com a sala a abarrotar e "rusgas" na rua esperando uma eventual desistência.

 

Um cronista disse no dia seguinte que "os espectadores que se deslocaram já a conheciam suficientemente por terem apreciado a Caboverdiana que se fazia acompanhar por 7 músicos. A Diva realizou, como já é hábito, um espectáculo muito sóbrio, sem espalhafates, num ambiente cheio de melancolia e tristeza como no fado português".

 

A cada vez os músicos da Cesária foram dirigidos por um Chefe diferente. E assim viu-se, e apreciou-se, Paulino Vieira, Bau, Chico Serra e Toi Vieira.

 

Foto Valdemar Pereira

 

Como disse a Vereadora, "vamos ter saudades da presença da Cize".

 

Que viva muitos anos com saúde para nosso deleite porque pára os espectáculos mas ainda dispára a sua voz.

 

Valdemar Pereira, Tours, França

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

3 comentários

De Yara Lima Oliveira a 24.09.2011 às 15:08

Bom dia  todos (daqui de Feira de Santana, Bahia- BRASIL)


Informada de que o querido amigo Valdemar Pereira estaria aqui junto a outra pessoa querida e admirada por mim, Césaria Évora, corri para conferir.
Valeu a pena.
Dans cette  oportunité unique, c´est sûr!, mon ami  a faìt "comme il faût". Excelentes fotos e um jeito peculiar de escrever que até estive lá.
Parabéns ao blog, parabéns a todos os colaboradores. Um abraço da Bahia


Yara (Cillyn) para os que gostam de poesia. 

De Brito-Semedo a 25.09.2011 às 10:00

Bom-dia, Yara Oliveira, Seja bem-vinda ao "Na Esquina". É bom sabê-la encostada nesta esquina virtual de partilha e de convívio! Instale-se, procure um cadeira, fique à vontade, informe-se e participe! Rsss !
Votos de bom domingo!

De Adriano Miranda Lima a 24.09.2011 às 21:05

Li com imenso agrado este texto que em boa hora nos trouxe o Valdemar. Mostra que o prestígio da nossa diva ultrapassou todas as fronteiras e foi efusivamente festejado e aplaudido nas mais diferentes  latitudes e culturas. Todo o cabo-verdiano tem de se sentir orgulhoso pela difusão  dada por esta  conterrânea à nossa música e implicitamente à  nossa poesia e à nossa cultura. Ninguém o poderia ter feito com mais autenticidade, mais naturalidade e mais desprendimento.
Tudo o que acaba deixa um nimbo de nostalgia, mas felizmente que o términus é apenas por motivo de saúde, pois só a morte significa uma ruptura definitiva. Estou convencido de que ela não vai deixar de espairecer num ou noutro evento musical em que, mesmo que não intervenha directamente, nos animará com a sua presença como retrato vivo de uma voz inigualável  na nossa história musical. Assim como a Amália Rodrigues é ímpar em Portugal, a Cize é ímpar em Cabo Verde.
Que saiba cuidar o mais possível da sua saúde.

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by