Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Em homenagem aos Correios, que nos tempos de diazá, sem internet e sem telemóvel, levaram e trouxeram tantas notícias de e para estas ilhas perdidas no meio do Atlântico.
 

 

Que estas duas linhas de cartinha mal alinhavadas, mas bem intencionadas, te encontrem bem de saúde e com boa disposição!

 

Ah, a alegria de receber uma cartinha da terra longe, o alvoroço da vizinhança quando chegava uma cartinha de além-mar, de alguém que não se via há tantos anos, de alguém que talvez não se volte a ver...

 

... uma cartinha muito bem dobrada, à boa moda antiga, que talvez escondesse nas suas reentrâncias umas notas de dólares, de escudos, de francos, de liras ou de guildas, para equilibrar o orçamento doméstico e encher a panela daqueles que ficaram nestas ilhas desafortunadas...

 

... uma cartinha escrita com letras trémulas, de mãos calejadas de emigrantes semi-analfabetos. Uma cartinha com letra fina, escrita por alguém que foi contratado, por uns tostões, para escrever aquelas duas linhas que lhe foram ditadas por quem não sabe ler nem escrever..

 

... uma cartinha cheia de erros de português, mas também cheia de saudade, de amor, de carinho, de ternura, de preocupação, de aperto no coração...

 

... um cartão postal de uma paisagem europeia, um cartão de Boas Festas, um cartão de aniversário, umas fotos que vão enfeitar a mesa da sala de visitas, um telegrama …

 

José Bandeira, Des., 1999

 

... um mnin que tá bem tá corrê, tá cunquí na porta d’ gent, ta gritá: – Ó, Mam Bia, bocê bá respondê lá na correi. Tem um carta pá bocê, d’ strangêr, bocê bá dpréssa

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De Valdemar Pereira a 09.10.2011 às 16:35



Com um selo que desconhecia vejo que homenagearam o grande vate santantonense Januàrio Leite, um primo da minha avó paterna.

Nesta homenagem filatélica vejo outra cara que me é desconhecida mas conhecida, também, é a cantora Lura e sua morna - Cartinha - das melhores que ela canta e talvez com mais simbolismo para o caboverdiano "de fora" que nunca esquece o seu torrão natal porque fisicamente na terra longe e espiritualmente na sua ilha.

De João Sá a 10.10.2011 às 07:10

Bom dia e votos de uma boa semana :)
Este post está em destaque Na Rede na homepage do SAPO Cabo Verde.

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Luiz Silva

    Ariana: Conheci desde a infância a Cesaria, minha ...

  • Djack

    A primeira medalha faz-me muita "manha", porque nã...

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

Powered by