Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Natividade

Brito-Semedo, 22 Dez 11

 

 

História tão simples

... Que em simples palavras se conta

É esta do Nascimento

Do Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Foi algures numa noute

Em Belém da Judeia

Que se deu esse exemplo

De comovedora humildade.

 

O Filho de Deus Poderoso

Nascendo tão pobremente

Naquele desconforto

De um estábulo qualquer.

 

E assim Maria tornou-se

Mãe de Jesus e nossa mãe

Enquanto o gado remoía

O feno da ração.

 

Depois os anjos anunciaram

Aos pastores dos sítios

Que ficavam em redor

Que Messias nascera.

 

E vieram todos conhecer

O menino que iniciava

O prometido reinado

Das antigas profecias.

 

Então adoraram.

E a mãe pálida sorria

Para a criança deitada

Por sobre a palha do seu lado.

 

Cavalgando camelos

Alta noute chegaram

Três Reis Magos do Oriente

Só para verem Jesus.

 

Vinham de longe e a Estrela

Que os guiava ficou suspensa

Mesmo em cima do estábulo

Brilhando mais que as outras.

 

Ouro, Incenso e mirra

Três presentes simbólicos

Os três Magos trouxeram

Em três cofres pequenos.

 

Três presentes simbólicos:

O ouro destinado ao rei

O incenso para Deus

E a mirra para o Homem!

 

E eis aqui finalmente

A história da Natividade

A mais simples e a mais terna

De entre as outras que há.

 

Tão curta ela se conta

Em bem poucas palavras

E a sua ingénua poesia

Até nos causa impressão.

 

- Jorge Barbosa, São Vicente, Natal de 1952

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

  • Anónimo

    Meu caro, seria interessante incluir o texto de Ar...

Powered by