Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

B.Léza e Cize na Eternidade

Brito-Semedo, 21 Dez 11

 

 

No Mindelo que os viu nascer e crescer, cada um a seu tempo percorrendo em idas e vindas de criança e jovem as ruas do Lombo, repousam agora tão próximos quanto nos velhos tempos em que ambos já viviam para a música – ele quase a concluir a sua viagem terrena, ela a despertar para um mundo feito de letras e melodias em que tão incontornavelmente se iria enredar. Era o destino.

 

Cesária tinha 17 anos quando B.Léza partiu. Outros compositores e músicos levaram-na para cantorias e bares, para as gravações na rádio, iniciando um percurso que hoje todo o planeta conhece. Na bagagem, levou as emoções musicais de B.Léza, dando a conhecer no mundo inteiro a sua arte de imbricar melodias inspiradas e versos de amor e dor. Ainda que muitos dos que se emocionaram com essas músicas não compreendessem a língua em que ele compôs e ela cantava. Mas isso nunca teve importância.

 

A morna, que os cabo-verdianos gostam de traduzir como sua identidade, tem nestes dois ícones como que “anjos da guarda” – poderíamos dizer, os “orixás” que Cabo Verde não cultua mas que à sua maneira e com aquilo que tem de melhor acabou por inventar? E, se apetecer, podemos imaginá-los a pairar de vez em quando sobre o Montecara. Espiam a placidez da baía – Oh, mar azul… – e o burburinho da rua de Lisboa, enquanto de algum botequim no Lombo, do rádio de um táxi qualquer ou de algum bar de hotel escapam uns acordes a falar de um cretcheu antigo e eterno.

 

Texto: Gláucia Nogueira (Praia, Cabo Verde)

Caricaturas: Paladino (São Paulo, Brasil)

  

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

3 comentários

De AMendes a 21.12.2011 às 21:45


Lindo texto... belas caricaturas.

Só um pequenissimo e  inocente reparo:

Porquê: "tascas do Lombo" ... e não botequins? Soa melhor e melhor condiz com o lugar!
Bem haja
santo Natal e Feliz 2012.

De Brito-Semedo a 21.12.2011 às 21:54

Peço licença e autorização à minha Amiga jornalista brasileira-verdiana Gláucia Nogueira para usar a cor/designação mais local, "botequins". Espero que isso não desfeio o texto dela, rsss !!! Braça e votos de um Feliz Natal!

De Gláucia a 22.12.2011 às 07:50

Ok,Brito, sem problemas, você esquece que eu morei dez anos em Portugal? 

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by