Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Crónicas A Manduco... (8)

Brito-Semedo, 11 Ago 10

 

Foto de António Gomes, 2010 - Project "Pó de Bruma" BW and Poetry

 

Algumas comissões municipais, no louvável empenho de concorrerem para a diminuição do consumo do álcool, têm criado um imposto especial sobre a aguardente de produção provincial, e outras bebidas alcoólicas e fermentadas importadas, com excepção do vinho.

 

Se bem que não concordemos com a inclusão das fermentadas, pois a cerveja, por exemplo, é no nosso humilde entender, um bom refrigerante para estes climas, não deixamos de apoiar com vigor e incitar as diversas vereações da província a não pouparem os borrachos. Sim, que só possam embebedar-se os ricos. Oxalá venham a estabelecer um imposto sobre o tabaco, um veneno tão violento e prejudicial como o álcool. Que, também, só possam narcotizar-se os ricos.

 

O uso e o abuso do álcool e do tabaco, a tuberculose por esse abuso favorecida, as estiagens e o analfabetismo são males que estão afectando intensa e extensamente a província. Urge combatê-las sem descanso, empregando-se todos os meios, todas as armas até à completa exterminação.

 

Um dos meios mais eficazes é fazer com que as crianças não provem do fruto proibido, evitando os pais e os professores fumar perante os filhos e discípulos: aconselhando-os com boas palavras e com o exemplo a não tocarem em bebida alguma alcoólica. Que bebam somente água.

 

Quanto aos adultos, se é possível a regeneração dos viciosos em adiantado grau, todavia não se deve pôr de banda qualquer remédio que possa concorrer para desviar do abismo os ainda não inveterados pelo repugnante vício.

 

É fazendo a todos conhecer os estragos terríveis e as desgraças que o alcoolismo causa aos indivíduos, à sociedade; é instruindo o povo das suas desastrosas consequências, despertando em sua alma obscura, mas generosa, o horror ao uso do álcool, pois do uso é que vem o abuso, e excitando-lhe a dignidade, é só assim lutando que se conseguirá debelar o flagelante mal. Não temos a estulta pretensão de vir com o nosso desanclorizado conselho fazer que o caranguejo filho não ande às arrecuas como caranguejo pai, porque o fatalismo dos tempos escuros é o que hoje em dia a ciência denomina a Hereditariedade.

 

Damos por isso a palavra sobre o “álcool e alcoolismo” a um médico distintíssimo no dizer dos competentes – uma figura de notável relevo moral e político no Partido Republicano.

 

Mas tenham paciência os prezados leitores; só poderão ouvi-lo de hoje a 7 dias. Estejam, pois, sossegadinhos que não perdem com a demora. A lição é magistral; é preciso preparar bem o espírito para a perceber. Muita atenção e propósito firme de emenda. Senão, canta o... manduco.

AFRO

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • joão

    Amigo de Mindelo, sabe "o que é ser inventor"? Enc...

  • Sandro

    Amei esse "BAÚ" só tem preciosidade! 

  • Gilson

    Musicas muito bonitas, acho muito legal musicas ap...

subscrever feeds

Powered by