Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Santa Ignorância!

Brito-Semedo, 18 Ago 10

 

Estudantes americanos acham que Beethoven é um cachorro e Michelangelo, um vírus.

 

Ter, 17 Ago, 07h54

 

WASHINGTON (AFP) - A maioria dos americanos que está prestes a entrar na universidade não consegue escrever em letra cursiva, acha que o e-mail é lento demais, que Beethoven é um cachorro e Michelangelo, um vírus de computador, revelou um estudo divulgado nesta terça-feira nos Estados Unidos.

 

Para os estudantes que se formarão em 2014, a Tchecoslováquia nunca existiu, Clint Eastwood é um cineasta que nunca interpretou "Dirty Harry" e John McEnroe é garoto propaganda que nunca pisou numa quadra de tênis, segundo as respostas de uma pesquisa feita por acadêmicos da Universidade de Beloit.

 

A lista Mindset (modo de pensar) foi compilada pela primeira vez em 1998 a partir de perguntas feitas à geração que se formaria em 2002, pelo professor de Humanidades Tom McBride e o ex-diretor de relações públicas Ron Nief, da Universidade Beloit.

 

Criar a lista levou um ano, durante o qual Nief e McBride coletaram contribuições externas, estudaram minuciosamente jornais, trabalhos literários e a mídia do ano de nascimento das pessoas que entraram na universidade em agosto ou setembro, início do ano letivo nos Estados Unidos.

 

"Em seguida, apresentamos as ideias a todos os jovens de 18 anos de quem conseguimos chamar a atenção", explicou Nief à AFP.

 

O objetivo era lembrar às autoridades educacionais como as referências culturais se perdem rápido, mas acabou se tornando, rapidamente, uma popular lista anual que demonstra os conhecimentos de uma geração.

 

Os nascidos em 1980 acham que só houve um papa, João Paulo II, que assumiu em 1978 e morreu em 2008.

 

Para os que chegaram ao mundo em 1981, a Iugoslávia nunca existiu. Eles não entendem por que se escreve com letra maiúscula o nome do sindicato Solidariedad, único independente na União Soviética e que conseguiu terminar pacificamente com o comunismo na Polônia, em 1989.

 

Os que nasceram em 1984 não tinham ideia de que algo como o apartheid existiu na África do Sul. Enquanto para os que hoje têm 29 anos, Mike Tyson foi "sempre um delinquente", os que são cinco anos mais velhos consideraram o boxeador "sempre um competidor".

 

"Há dois anos, havia alguns estudantes que (disseram) que aprenderam datilografia em uma máquina de escrever", enquanto agora há alguns de 30 anos que não sabem que a IBM foi fabricante de máquinas de escrever, disse Nief.

 

Para os alunos secundaristas que se formam este ano, a Alemanha nunca foi dividida, os atletas profissionais sempre competiram nos Jogos Olímpicos, os "reality shows" sempre existiram na televisão e as companhias aéreas jamais permitiram fumar a bordo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Crónicas A Manduco... (9)

Brito-Semedo, 17 Ago 10

 Foto de António Gomes, 2010 - Project "Pó de Bruma" BW and Poetry

 

O álcool, quando bebido em doses moderadas, constitui um alimento valioso, sobretudo para os que têm de executar trabalhos exigindo grande esforço muscular. Excedidas, porém, essas doses, torna-se um veneno perigosíssimo quer para o indivíduo quer para a sociedade.

 

Antes de mais nada, porém, devemos dizer que há várias espécies de álcool e cada uma delas tem a sua toxidade, de modo que umas são mais nocivas do que outras; a mais inocente e a que principalmente se usa entre nós, em virtude da sua abundância e barateza é a constituída pelo alcoolethylico ou vincolo que se bebe sob a forma de vinho, aguardente do vinho e cognac.

 

O álcool de cereais é muito mais nocivo; e das bebidas que o contêm (aguardente de figo, de cereais, etc.) só a cerveja boa se pode aconselhar, porque na realidade, esta bebida é pouco alcoolizada e possui quantidades nutritivas muito aproveitáveis.

 

Todas as outras espécies de álcool ingeridas sob a forma de absinto, whisky, kirsch, etc., são absolutamente condenáveis, por violentamente tóxicas. No nosso país há, pois, duas bebidas alcoólicas recomendáveis, em doses moderadas; o vinho e a cerveja. Mas o que deve entender-se por doses moderadas? Seis ou oito decilitros de vinho por dia, ou o dobro de cerveja, para aqueles que se dedicarem a trabalhos exigindo esforço muscular de importância. Além destas quantidades, o indivíduo, no fim de certo tempo, está sob a influência de um envenenamento crónico devido ao álcool, e que se designa por alcoolismo crónico. Muita gente imagina que alcoólico é só aquele que bebe grandes doses de álcool, embebedando-se com frequência.

 

Constitui isso um erro que importa desfazer. Para ser alcoólico não é preciso embebedar-se frequentemente, podendo nunca mesmo embebedar-se; basta que beba mais do que doses moderadas. E então vem os maiores malefícios para o indivíduo e para a sociedade. O alcoólico envelhece precocemente em resultado de uma grave perturbação de todos os seus elementos vitais. O estômago, o intestino, o fígado, o coração, as artérias, o cérebro, enfim, todos os tecidos orgânicos sob a influência da intoxicação alcoólica que se acentua mais ou menos lenta, mas sempre progressivamente, alteram-se. E se fisicamente o alcoólico se torna um velho antes do tempo, morrendo cedo pela fraca resistência que opõe às doenças, moral e intelectualmente transforma-se num louco ou num criminoso arrastando os seus à miséria e à vergonha.

 

Mas o alcoólico não se prejudica só a si; prejudica também grandemente a sociedade e não só por ser um mau cidadão mas ainda por lançar nela filhos que geralmente são criminosos e loucos. Para dar uma ideia precisa e clara deste facto de importância capital, vou apresentar estatísticas que têm todo o valor científico pois que diferentes sábios e em diferentes lugares chegaram às mesmas cifras. Comparando entre si os filhos de dois grupos de dez famílias em circunstâncias económicas idênticas, vê-se o seguinte: – Um dos grupos, no qual não havia vestígios de hábitos alcoólicos, tinha 30 filhos vivos e normais, 7 morreram, 2 ficaram mentalmente inferiores e 2 apresentavam deformações congénitas. Das dez famílias de bebedores houve apenas 9 normais, 24 morreram, as restantes 22 crianças, eram idiotas, mal conformados e epilépticos. Este quadro é bem eloquente mostrando à evidência que os filhos dos alcoólicos nada mais são do que candidatos aos hospitais de alienados e às penitenciárias. As relações, sob o ponto de vista criminal, entre o alcoolismo e o crime ressaltam com não menos eloquência do quadro que segue: – Numa dada região e num período que vai de 1872 a 1895 entre 202 condenados à morte havia 121 ou 59,9%, de bebedores de profissão; entre 216 condenados a trabalhos forçados perpétuos havia 118 ou 54,6%, bebedores de profissão; entre 2.388 condenados a outras penas mais leves, havia 1.157 ou 44,7% de bebedores profissionais.

 

........................................................

 

Dr. Eusébio Leão, médico dos hospitais – Almanach de A Lucta[1], pág. 77 a 79 – Leiam, meditem, penetrem e se compenetrem. Todos, sim?

AFRO

 

in "A Voz de Cabo Verde", N.º 21, de08 de Janeiro de 1912

 


[1] Almanach de A Lucta, propriedade da Empreza de Propaganda Democrática, Lisboa, 1910 e 1911.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Wilson Candeias

    Caro Professor Brito SemedoCabo Verde precisa de p...

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

subscrever feeds

Powered by