Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bana: Uma Vida a Cantar

Brito-Semedo, 5 Out 10

 

Bana.jpeg

Em declarações à Lusa, Raquel Ochoa, 28 anos, natural de Lisboa, esclareceu que a obra, intitulada «Bana: Uma Vida a Cantar Cabo Verde», vai também ao encontro da própria história do arquipélago, romanceada, por vezes, em torno das suas gentes.


«É quase como se fosse um romance. Paralelamente à biografia de Bana é também uma espécie de biografia de Cabo Verde, sobre o que é Cabo Verde e quem são os cabo-verdianos», precisou a autora.

O livro, com cerca de 200 páginas, tem chancela da Editora Planeta Vivo.

A homenagem, destinada apenas a convidados dada a exiguidade do espaço, conta com o patrocínio da Embaixada de Cabo Verde em Lisboa e tem a participação de dezenas de amigos de Bana, em particular de Celina Pereira, Tito Paris e Leonel Almeida, que cantarão alguns dos temas que celebrizaram o autor/compositor.


Há cerca de dois meses, Bana sofreu um acidente vascular cerebral (AVC), mas, após o período de hospitalização, são poucas ou nenhumas as sequelas, disse hoje à Lusa a cantora e amiga Celina Pereira.

«Já o vi a cantar, de violão na mão, em casa de amigos, e posso dizer que é um Bana ressuscitado. Canta, logo existe», realçou a cantora cabo-verdiana, que será a apresentadora da homenagem.

Bana, aliás Adriano Gonçalves, nasceu a 11 de Março de 1932 na freguesia de Nossa Senhora da Luz, no Mindelo.


Desde pequeno que o «gigante» passou a ser conhecido por Bana, para não fugir à regra de que, em Cabo Verde, há sempre um «nominho», um nome «da casa», de afeição, de carinho.

Juntando-se ao coro dos diferentes cantores que contavam e cantavam as mornas, os amadores dos violões, das violas e dos cavaquinhos apercebem-se rapidamente da voz invulgar, «admitindo-o» entre os grandes de então.


Um deles ficou particularmente encantado com a voz de Bana: nem mais nem menos do que o célebre compositor e poeta B. Leza, que o apresentou, em 1959, numa digressão que a Tuna Académica de Coimbra efectuou por São Vicente.


Entre os responsáveis pela Tuna figuravam o escritor, romancista e jornalista Fernando Assis Pacheco e o poeta e político Manuel Alegre, que tentaram trazê-lo a Portugal para actuar.


No entanto, seria em Dakar (Senegal) que Bana gravaria o seu primeiro disco e daria os seus primeiros espectáculos.


De Dakar, segue para Paris, onde permanece até 1968 e grava mais dois LP, e para a Holanda, publicando mais dois «long-play» e seis EP, muito em voga na altura.

 

É no ano seguinte, 1969, que surge o convite para se deslocar a Portugal.

Foi na inauguração da Casa de Cabo Verde, em Lisboa, na companhia de dois dos seus amigos, Luís Morais e Morgadinho, com quem formara, em 1966, o conjunto Voz de Cabo Verde, ainda com Toy da Bibia.

Ao longo de uma carreira de mais de 60 anos, Bana publicou mais de meia centena de LP e EP, em grupo ou a solo, e participou em quatro filmes - dois franceses, um alemão e um luso/cabo-verdiano.

 

Bana.jpeg

Festival de Homenagem em Lisboa, Junho de 2010


«Embaixador» da música cabo-verdiana, por ser pioneiro em levá-la aos quatro cantos da Europa e África, Bana já foi reconhecido com várias condecorações e homenagens, quer em Cabo Verde quer no estrangeiro.

Diário Digital / Lusa

(Morna "Lena" interpretada por Bana)

 

Título: Bana: Uma Vida a Cantar Cabo Verde 

Autora: Raquel Ochoa

Editor: Editora Planeta Vivo

Ano de edição: 2008

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Wilson Candeias

    Caro Professor Brito SemedoCabo Verde precisa de p...

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

subscrever feeds

Powered by