Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Grémio Recreativo Castilho

Brito-Semedo, 19 Abr 11

Grupl Coral e Teatral do Castilho. Foto anos 60, gentilmente cedida por Américo Medina

 

Esquerda para a direita: (1.ª Fila) Nhélas Araújo, Titina, Timóteo Silva, Daniel Almeida (Cuda),..., M.ª José Almeida, Djosinha, Manuela de Nha Concha; (2.ª Fila) ,..., Duca de Nhô Pitra, Daniel Almeida (Didi de Farmácia), Ernesto Medina,..., Luís de Nhô Quim Chavinha, José Calazans Silva,... de M.ª José de Laquenha,..., Longino e Amândio Cabral; (3.ª Fila), Djack Silva, Armando Silva, Manel Figueira e Nelly.

 

O Grémio Recreativo Castilho, fundado  em 1923,  por jovens estudantes pertencentes à classe média mindelense (constituída de funcionários, agentes do comércio e empregados das companhias inglesas) marcou a vida cultural e desportiva de Cabo Verde.

 

Interessa saber porque se inspiraram  no ultra-romantismo de António Feliciano de Castilho e não do realismo e do naturalismo de Antero de Quental, fundador de Associações de Trabalhadores e de jornais políticos, ilhéu dos Açores e mais próximo das realidades de Cabo Verde e adversário do ultra-romantismo? A resposta deve estar nesse comentário a soldo do escritor António Aurélio Gonçalves, ao afirmar que o ultra-romantismo português, de que António Feliciano de Castilho foi um dos grandes mestres, teria encontrado o seu último refúgio em Cabo Verde nas  mornas de Eugénio Tavares (Brava, 1868/1930). Ler mais aqui.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Recordando Luis Rendall

Brito-Semedo, 18 Abr 11

 

 Luis Rendall

 

(S. Vicente, 26 de Fevereiro de 1898 – 4 de Dezembro de 1986)


É considerado "o pai do solo do violão cabo-verdiano". Diz-se que criou as mais belas composições da música instrumental cabo-verdiana que, infelizmente, não foram salvaguardadas, ficando poucas para a posteridade. Existem apenas dois LP's ("Cabo verde e seu compositor" e "Memorias de um violão"), três singles 45 rotações e cassetes gravadas pela rádio nacional. Há também trechos de um documentário sobre o mestre, produzido pela Radiotelevisão Portuguesa, guardados nos arquivos da Televisão de Cabo Verde.


Fora a música, foi guarda-fiscal, continuo do liceu e faroleiro na Boavista. Chegou a tocar na Banda Municipal de São Vicente.


Participou na Exposição Colonial, em Setembro de 1934 na cidade do Porto. Segundo notícias dos jornais da época, "O Século" e "Comércio do Porto", o dia de Cabo Verde na exposição foi marcado por uma tarde cultural em que Luís Rendall e seu grupo interpretaram temas de B. Léza e de Henrique Lopes Tavares.


Muito mais tarde voltaria a Portugal, numa inesquecível jornada, num conjunto em que faziam parte também Agostinho Fortes, Celso Estrela, Taninho Evora (violões) Djosinha, Titina, Mité Costa e Arlinda (cantores), tendo ali registado, pelo menos, um single de 45 rpm. (Fonte)

 

 

Solo de Luís Rendall

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

subscrever feeds

Powered by