Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Uma cimboa com o seu arco. Foto autor desconhecido

 

Céu é grandi, mundo é largo
Alto é monti picu ‘Ntoni

Bo dor câ tem comparaçon
Na mei’ di fúria bento lesti

Teteia bai pâ nunca más
Terra-longi di San Tomé

Nha Cumá, Toti Cadabra
Curti mundo d’amargura

Toca cimboa, rapica tamboro
Canta cu alma, sem ser magoado

‘Squêce vapor, s’quêce distância

Finca bo pé na terra firmi

Rumo di mar é sina tristi
Bo caminho é tchom di Caoberdi

Nho Nacho flâ al di bêm tempo
Qui midjo tâ dâ sem mêste tchuba

Vontadi d’omi é sima Deus
Coraçom forti câ dêbe tchora

Toca cimboa, rapica tamboro
Canta cu alma, sem ser magoado.

 

– Arménio Vieira, Prémio Camões' 2009

 

 

 

Arménio Adroaldo Vieira e Silva

 

(Praia, 29 de Janeiro de 1941)

 

O Poema “Canta Cu Alma Sem Ser Magoado”, de Arménio Vieira, musicado por Pedro Rodrigues, cantado por Bana.

 

 

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

subscrever feeds

Powered by