Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Valdemar Pereira, Tours, França

 

O reconhecimento do Povo de Cabo Verde para com o Dr. José Baptista de Sousa tinha de ficar assinalado para sempre.

 

Então o industrial Manuel de Matos teve a feliz ideia de uma Subscrição Popular que ficou a cargo do seu amigo Jom Bintim, o qual andou por todo o lado, mostrando às pessoas, mesmo às pessoas mais modestas, o bem fundado da iniciativa e quão nobre era o gesto para com o "engenheiro humano" cuja dedicação ao Povo de Cabo Verde não se podia pagar. Ele tinha sido dedicado até mais não, operando sempre no Hospital Militar, graciosamente. Até avançava para os que não o procuravam, nomeadamente quando cruzava na rua com pessoas de "pé croque".

 

A primeira moléstia que erradicou foi a conhecida por "dor de barriga d'home" que não era senão apendicite (peretonite). Antes dele chegar a maioria dos pacientes morria durante ou apôs as operações. E não se pode imputar a culpa aos dois médicos que procuravam fazer o melhor possível, sem condições nenhumas, para salvarem vidas. Depois soube que isso era devido a anestesia aplicada – o clorofórmio. Se o paciente suportasse o medicamento era operado mas vinham depois as convulsões pôs operatórias que rompiam as costuras e provocavam cepticémia e/ou danos colaterais.

 

Segundo ouvi do meu falecido pai, para a Subscrição, até as mulheres do cais, que coziam os sacos (digamos que muitas vezes rasgavam) deram mil réis ou mesmo 5 tostões.

 

Assim a População de S. Vicente pôde oferecer ao benfeitor o iate "Morabeza" como lembrança.

 

Fotos Arquivo Valdemar Pereira, Mindelo, 1944

 

Nas três fotos vê-se:

 

1) – Entrega de um Diploma (ou acto de propriedade do iate "Morabeza") no Salão de Desenho do Liceu Gil Eanes, destacando-se o Maestro Jorge Monteiro, o Sr. Ferreira (Ship Shandler), dois dos três Kahn (Kahnim e Kahn; falta o Kahnão);

 

2) – Iate "Morabeza" saindo dos Estaleiros da Pontinha onde foi revisto.

 

3) – Dr. Baptista de Sousa fundeando o iate no Porto Grande de Mindelo, ao lado da Praia de Bote

__________

 

Nota: Peço de antemão as minhas desculpas a todos e a qualquer um. O que fica acima foi o que ouviu um menino de 7 anos e que agora diz o que guardou na memória esperando que pessoas mais documentadas possam rectificar. Assim poderemos reconstituir tudo. Fica o pedido e também o desafio. VP

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Despedida do Dr. Baptista de Sousa

Brito-Semedo, 9 Set 11

 

Dr. Baptista de Sousa no Hospital de S. Vicente

 Partida do Dr. Baptista de Sousa acompanho pelas forças vivas do Mindelo

Dr. Baptista de Sousa levado no andor no meio de "Cotche de gente" (da Praça Nova onde morava até ao Cais de Alfândega) a dar vivas ao "Engenheiro Humano", título da morna do Maestro Jotamont
 
Vaporim a dar de banda, tal a quantidade de gente a querer acompanhar o Dr. Baptista de Sousa na sua despedida
Dr. Baptista de Sousa no botim em direcção ao vapor "Guiné"
Dr. Baptista de Sousa no seu último adeus ao povo de S. Vicente

 

Notas:

  

1. Fotos do dia 10 de Setembro de 1944. Arquivo do Colaborador e Amigo Valdemar Pereira, que gentilmente fez a sua legendagem.

 

2. Abaixo, um excerto da conferência proferida pelo Colaborador e Amigo Adriano Miranda Lima na Associação dos Antigos Alunos do Ensino Secundário de Cabo Verde, em Carnide (Portugal).

___________

 

Elegi como um dos momentos mais altos da minha narrativa a despedida apoteótica de Baptista de Sousa, o que significa que vou começar pela última cena da sua passagem pela nossa terra. É como fazem alguns cineastas. Apresentam primeiramente o momento de maior densidade dramática e depois arrancam com o início do filme.

 

Vamos então focar aquele dia 10 de Setembro de 1944. Rezam as crónicas que naquele dia a cidade de Mindelo parou em peso para acompanhar o doutor Baptista de Sousa ao cais de embarque. O povo concentrou-se em massa formando alas entre a residência do médico, na Praça Nova, e o cais de embarque, afluindo de todas as partes da cidade e seus arredores. As janelas se escancararam e os passeios estavam pejados de gente, algumas pessoas alcandoradas em pontos dominantes para lograrem uma observação mais vantajosa. Valdemar Pereira refere o seguinte testemunho coevo que ouviu ao senhor Antoninho Santiago, funcionário dos CTT: ao sair da sua casa na Praça Nova para entrar no automóvel militar que o levaria ao cais, o doutor foi imediatamente levantado e levado em ombros por figuras gradas da sociedade mindelense, ao que ele, modestamente, se procurou opor, mas sem êxito. Assim, em ombros parece ter sido conduzido até às imediações do cais, com o povo a soltar ensurdecedores e emotivos vivas ao doutor Baptista de Sousa e vivas ao nosso “Engenheiro Humano”. As mulheres do povo derramavam lágrimas enquanto gritavam vibrantes palavras de saudação e apreço àquele que elas já tinham como um querido filho adoptivo da terra.

 

Entre a comitiva acompanhante, envolvida pela multidão, encontravam-se as autoridades civis e militares da ilha, designadamente o comandante do Corpo Expedicionário, brigadeiro Augusto Martins Nogueira Soares, o doutor Adriano Duarte Silva, o presidente da Câmara Municipal, doutor Luís Terry, e outras mais figuras representativas das forças vivas da cidade. A homenagem ao médico tinha sido assinalada dias antes por actos e iniciativas de vária ordem; mas agora, no dia do embarque, é a emoção que se transborda unindo por igual todos quantos fraternamente se juntaram na despedida. Logo que Baptista de Sousa e a sua comitiva atingiram o cais, os navios fundeados na baía libertaram toda a estridência das suas sirenes, naquela que é a mais genuína e comovente saudação dos homens do mar. O médico embarcou no seu escaler e, por iniciativa partilhada por toda a cidade, um numeroso cortejo de botes e lanchas, transportando representações das colectividades e agremiações locais, além de pessoas singulares, escoltou-o até ao vapor Guiné, que o levaria de regresso a Metrópole. Disse-me a minha mãe, actualmente com 84 anos, que se recordava de as sirenes terem tocado continuamente até o navio levantar âncora, pelas 15 horas, e perder-se da vista saudosa do povo de Mindelo. Nunca se vira coisa igual em Mindelo, nunca a cidade inteira se tinha comovido tanto na hora “di bai”.

 

Depois da despedida, calculo a nostalgia que deve ter ficado a pairar na cidade. Ora, para um homem ser assim alvo de tanta unanimidade no reconhecimento e no aplauso à grandeza do seu mérito, unindo autoridades e povo anónimo, ricos e pobres, gente de todos os estratos e condições, é porque verdadeiramente invulgar foi o modo como exerceu o seu múnus profissional em prol da comunidade local, é porque excepcional foi ele na esfera da sua humanidade e civismo.

 

Adriano Miranda Lima, Portugal

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Joaquim ALMEIDA

    Inteiramente de acordo com a Gilda !.A mais bela c...

  • Anónimo

    Monte cara também,seria um bom nome para a nossa c...

  • eduardo monteiro

    Mindelo a minha eterna enamorada, a vida verdadeir...

subscrever feeds

Powered by