Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Minha Primeira Amália

Brito-Semedo, 15 Out 12

A maior fadista portuguesa tem uma biografia destinada aos mais novos. Numa época em que o fado passou a ser ouvido por jovens, esta edição já fazia falta.

 

O pretexto para o lançamento deste livro é a proximidade do primeiro aniversário da eleição do fado como Património da Humanidade, mas para falar de Amália não são precisos pretextos. Em A Minha Primeira Amália, a autora Maria do Rosário Pedreira respondeu a um desafio: “Apresentar a nossa maior fadista de sempre a quem nasceu já depois da sua morte”, escreveu no blogue Horas Extraordinárias. E acrescentou a dúvida: “Não sei se fiz um bom trabalho.” Fez. Num tom de proximidade com o leitor, vai contando a vida da cantora, com a explicação, aqui e ali, de conceitos que suspeita não serem do conhecimento de quem a lê, como “diva”, “reportório”, “solista” ou “busto”. A biografia contém algumas letras de fados e revela as particularidades da sua criação. Como é o caso de Vou Dar de Beber à Dor. “Até se conta que Alberto Janes lhe fez uma letra que toda a gente dizia para ela não cantar. Mas ela não deu ouvidos, cantou e foi um êxito. (…) Era uma espécie de resposta a um fado mais antigo, A Casa da Mariquinhas.” Também são descritos certos pormenores do dia-a-dia, como o facto de Amália usar sempre apenas uma jóia: “Se punha um alfinete, dispensava os brincos.” Se a forma de contar a história conquista logo quem está do lado de lá das páginas, o modo de João Fazenda a ilustrar obriga-o mesmo a deixar-se ficar até ao fim. Depois, apetece aplaudir. Todos três.

 

(Texto divulgado no Público de 22 de Setembro de 2012, página Crianças.) (Fonte)

 

Título: A Minha Primeira Amália

Autores: Maria do Rosário Pedreira e João Fazenda

Género: Infanto-juvenil

Editora: D. Quixote 45 páginas

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

  • Anónimo

    Meu caro, seria interessante incluir o texto de Ar...

subscrever feeds

Powered by