Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Shakespeare em Criôl

Brito-Semedo, 11 Set 13

No âmbito do estudo sobre a dramaturgia de Shakespeare na língua cabo-verdiana, o encenador João Branco estreou ontem, dia 10 de Setembro, a terceira peça da trilogia Shakespeareana em crioulo, "A Tempestade", depois de "Romeu e Julieta", em 1998, e "Rei Lear", em 2003.

 

Co-produção Grupo de Teatro do Centro Cultural Português do Mindelo e Grupo Teatral Craq'Otchod.

 

Ariel
 
Próspero e Caliban
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Em finais de 2008, Ivanilda, a filha de João Rodrigues, encontrou um conjunto de 10 poemas do pai e, em combinação com o irmão Herberto, decidiu publicá-lo numa pequena brochura. Com o intuito de agradar ao pai, Ivanilda envolveu a família  –  usou uma pintura em aguarela do filho Igor, que o irmão estilizou – e pediu a colaboração dos amigos –  o poeta Corsino Fortes, que se disponibilizou a fazer um pequeno prefácio, e o escritor Germano Almeida, que aceitou fazer a sua apresentação pública.

 

Em Abril de 2009, com o Auditório do Centro Cultural do Mindelo completamente lotado, fez-se a apresentação da Maré Cheia, a última obra de João Rodrigues, dedicado ao neto Ivan Herbert.

 

A Esquina do Tempo associa-se a este gesto de afecto evocando a memória do contista, novelista e poeta João Baptista Rodrigues, agora desaparecido, e trazendo ao grande público esse seu derradeiro trabalho.

________

 

Saravah! Meu Caro Djone

 

Saravah para as ondas que deambulam entre avô e neto, o fluxo e o refluxo da "Maré Cheia". E para as palavras que surpreendam quotidianamente João Rodrigues entre duas portas: a crioulidade da memória e a metáfora da caboverdianidade.

 

Assim do conto à novela e do novelo das emoções à poesia. João Rodrigues depõe sempre, nas mãos de Monte Cara quer a rosa dos ventos martelo quer jurisdicidade evangélica do seu cinzel para que a ilha, para que o poeta seja na legitimidade dos propósitos um telúrico escultor de identidades.

 

Surpreendente, meu caro Djone encontrar-te nesta "Maré Cheia" onde as ondas banham a alma das rochas com o orgasmo da vida...

 

- Corsino Fortes

 

Título: Maré Cheia

Autor: João Rodrigues

Capa: Reprodução de pintura em aguarela, 1994 do neto Igor Rodrigues Carvalho

Design: Kriativ - Publicidade & Marketing

Tiragem: 250 exemplares

Edição do Autor, Abril 2009

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

subscrever feeds

Powered by