Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

João Manuel Varela ou João Vário

Brito-Semedo, 20 Nov 13

 

Varela.jpeg

   

No Dia da Universidade de  Cabo Verde (21.Nov.2008 - 21.Nov.2013), uma singela Homenagem ao Professor Titular de Citologia e Fisiologia Celular no Instituto Superior de Engenharia e Ciências do Mar (ISECMAR), JOÃO MANUEL VARELA, um dos mais ilustres cabo-verdianos e um dos seus maiores escritores e da literatura contemporânea em língua portuguesa.

 

 

Escrevo assim porque não posso escrever doutra maneira. A estrutura da minha inteligência, da minha memória e da minha sensibilidade […] fazem-me uma leitura do mundo e de mim que não é simples.” – T. T. Tiofe, 1974

 


João Manuel Varela (Mindelo, 07.Junho.1937 – 07.Agosto.2007) foi médico, neurocientista e investigador de renome internacional, com destaque para a descoberta de uma síndrome anatomoclínico, agora conhecido por Síndrome de Varela, e Professor Universitário. Regressado à sua ilha natal da Micadanaia, em 1998, após 42 anos na diáspora, 10 dos quais na situação de exilado político, onde fez doutoramento e agregação na Universidade de Antuérpia (Bélgica), faleceu em Agosto de 2007, aos setenta anos.

 

Professor Titular de Citologia e Fisiologia Celular no Instituto Superior de Engenharia e Ciências do Mar (ISECMAR), João Manuel Varela foi um dos mais ilustres cabo-verdianos e um dos seus maiores escritores e da literatura contemporânea em língua portuguesa.

 

John ou Geunzim d’Didial, de seu nome próprio João Manuel Varela, filho de Notcha e Bia de Didial, é um escritor cabo-verdiano único e completo que se tresdobra em João VÁRIO (poética ontológica) – heterónimo que terá nascido em 1959 e que, pela sua força e originalidade de escrita, lhe roubou a identidade de cidadão e cientista – Timóteo TIO TIOFE (poética enraizada e voltada para as ilhas), criado em 1961; e G. T. DIDIAL (ficção filosofico-metafísica), heterónimo que terá sido criado na década de 80.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

subscrever feeds

Powered by