Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Os Livros e o Cinema

Brito-Semedo, 21 Mar 12

 

A adaptação de romances para o cinema não é um conceito original, pois desde os primórdios da sétima arte que se utiliza as obras literárias para produzir filmes.

 

Considerando o caso português, em 1912, foi adaptada por João Tavares a obra de Camilo Castelo Branco, “Carlota Ângela”.

 

Durante os anos vinte, a indústria do cinema em Portugal dedica-se principalmente à adaptação de clássicos literários, convidando realizadores estrangeiros para a direcção dos projectos.

 

Assim:

 

- Georges Pallu filma em 1921 “Os Fidalgos da Casa Mourisca” de Júlio Dinis, e em 1922 faz uma adaptação do romance “O Primo Basílio” de Eça de Queirós.

 

- Roger Lion realiza em 1923, o drama de Virgínia de Castro e Almeida “A Sereia de Pedra”, baseado no seu romance “Obra do Demónio”.

 

- Caeltano Bonucci e Amadeu Ferrari realizam em 1949 o filme “A Morgadinha dos Canaviais”, de Júlio Dinis.

 

O primeiro filme sonoro produzido em Portugal e realizado por Leitão de Barros, em 1931, foi uma adaptação da obra de Júlio Dantas “ A Severa”.

 

A literatura e o cinema, como se prova nesta pequeníssima amostra, têm caminhos convergentes. Nem sempre o trabalho do realizador cumpre com rigor a ideia mestra do autor do romance. Mas, em compensação, a obra passa a ser duplamente imortal: em livro e em filme (Fonte).

 

José Eduardo Taveira, Portugal

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

  • Anónimo

    Meu caro, seria interessante incluir o texto de Ar...

Powered by