Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Num Portugal atordoado pelo fim da I República, Florbela separa-se de forma violenta de António. Apaixonada por Mário Lage, refugia-se num novo casamento para encontrar estabilidade e escrever, mas a vida de esposa na província não é conciliável com sua alma inquieta. Não consegue escrever nem amar. Ao receber uma carta do irmão Apeles, oficial da Aviação Naval e de licença em Lisboa, Florbela corre em busca de inspiração perto da elite literária que fervilha na capital.

 

Na cumplicidade do irmão aviador, Florbela procura um sopro em cada esquina: amantes, revoltas populares, festas de foxtrot e o Tejo que em breve verá o irmão partir num hidroavião. O marido tenta resgatá-la para a normalidade mas, como dar norte a quem tem sede de infinito? Entre a realidade e o sonho, os poemas surgem quando o tempo pára. Nesse imaginário febril de Florbela, neva dentro de casa, esvoaçam folhas na sala, panteras ganham vida e apenas os seus poemas a mantém sã. Por isso, Florbela tem que escrever!

 

Este filme é o retrato íntimo de Florbela Espanca: não de toda a sua vida cheia de sofrimento, mas de um momento no tempo, em busca de inspiração, uma mulher que viveu de forma intensa e não conseguiu amar docemente (Fonte).

 

Ficha Técnica

Realização: Vicente Alves do Ó

Argumento: Vicente Alves do Ó

Produtor: Pandora da Cunha Telles e Pablo Iraola

Ano: 2012

Género: Drama

Duração: 119'

 

Elenco

Dalila Carmo (Florbela Espanca)

Albano Jerónimo (Mário Lage)

Ivo Canelas (Apeles)

Rita Loureiro (Sophia D'Arriaga)

José Neves (António)

António Fonseca (João Espanca)

Carmen Santos (Henriqueta)

Maria Ana Filipe (Adelaide)

Marques d'Arede (Sr. Lage)

Anabela Teixeira (Júlia Alves)

 

 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by