Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

“Cabo Verde – Visto por caboverdeanos”, do Programa 'Arco Íris', da Rádio Barlavento 

 

 

A Ilha de Santiago

 

Pedem- me que diga alguma coisa sobre mim mesmo, que faça uma pequena auto-biografia para ouvintes do “Arco Iris”.

 

Pois seja assim…

 

Como os meus irmãos e irmãs deste Arquipélago, nasci de um tremendo cataclismo cósmico.

 

Daí, talvez, o nosso destino…

 

Um dia, convulsões medonhas, abalando o universo trouxeram-me do fundo dos fundos do mar, do abismo do silêncio para a agitada superfície das águas.

 

E fiquei imobilizada em peno Atlântico, a meio dos grandes continentes.

 

Há quanto tempo?

 

Não sei – nem interessa.

 

Só me lembro que vivi séculos, talvez milénios, desabitada, vagamente conhecida ou suspeitada dos homens, mas inatingida.

 

Até que há 5 séculos esses indómitos marinheiros e descobridores, que são a glória de Portugal, resolveram desvendar os mistérios seculares da Terra – chegaram até mim.

 

Nasci, então, para a História e, na chamada geral das Ilhas deste Arquipélago passei a responder pelo nome do Apóstolo Tiago.

 

Quando me acharam estava vazia, deserta e triste.

 

Mas eu era grande, e rica e ambiciosa.

 

Figueira Muita, Tarrafal

 

Tinha altas montanhas, vales profundos e risonhos, extensas achadas, água cantante, vegetação lírica; meu solo era rico, meus portos de mar abrigo seguro para navios, e a minha terra generosa tinha condições para proporcionar não só descanso e alimento aos marinheiros como ainda para abrigar milhares e milhares de pessoas que nela quisessem viver.

 

Cedo os portugueses compreenderam o meu valor.

 

E primeiro que nenhuma outra Ilha irmã em mim se fixaram – e perpetuaram.

 

Da terra continental fronteira recebi os meus primeiros habitantes: africanos dóceis, robustos, generosos.

 

Com eles ficaram lançadas as bases não só para a minha colonização como também para a de todo o Arquipélago.

 

Com o esforço de ambos – portugueses e africanos – cedo comecei a prosperar e breve em meu solo se erguia a primeira cidade que Portugal criou nos Trópicos.

 

Conheci desde então a até agora dias altos de grandeza e dias tristes de miséria.

 

Abriguei donatários e capitães-mores, prelados e homens de armas, fidalgos e plebeus, homens livres e escravos.

 

Sofri, no passado, o ataque de piratas cujo apetite a fortuna dos meus habitantes despertou.

 

O meu povo conheceu a brutalidade dos poderosos, viveu horas de baixas intrigas e nele a fome abriu, muitas vezes, sulcos profundos de sofrimento e de tragédia.

 

Mas progredi sempre, pelos séculos fora.

 

Santa Catarina

 

Em meu solo e através de todas as vicissitudes se formou um povo típico, diferenciado, dono de uma personalidade rica e inconfundível no quadro das Ilhas irmãs.

 

Esse povo, que ao país tem dado homens de valor, multiplica-se generosamente com o tempo.

 

Lavra a sua terra, dos vales mais profundos aos cutelos mais altos, cria o seu gado nas extensas achadas; pesca no mar que rodeia a sua ilha, emigra, e com o esforço funda uma nova cidade e várias povoações risonhas que esmaltam a Ilha.

 

E na base tradicional da família, da propriedade e da religião constrói os alicerces económicos e sociais da sua comunidade cada vez mais vasta, evoluída e progressiva.

 

Orgulho-me de ter sido, no passado, o fogo de onde irradiou a colonização de todo o Arquipélago e o meu presente em nada me envergonha.

 

Dizem que com os meus 991 quilómetros quadrados eu sou a maior Ilha do Atlântico; os meus campos cultivados com o suor dos meus filhos constituem o celeiro da Província; sou senhora de uma linda cidade, de duas vilas modernas e progressivas, 3 concelhos e 11 freguesias; em meu solo vivem cerca de 75 mil habitantes, a mais numerosa concentração humana do Arquipélago.

 

Sou a Sede do Governo, da Diocese e dos Serviços do Estado.

 

Tenho um passado secular – e também um futuro.

 

Tudo isto é motivo de orgulho legítimo para mim.

 

Mas nada me dá maior prazer de que ser útil às restantes Ilhas irmãs, viver com elas na maior harmonia e fraternidade, ajudando-nos mutuamente e todas trabalhando para o mesmo fim: – o progresso de Cabo Verde, sem barreiras, sem ilhas separadas pelo mar.

 

Amigos ouvintes:

 

É assim que a Ilha de Santiago pensa.

 

In Boletim de Propaganda e Informação, Ano VIII, Setembro de 1957

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

  • Anónimo

    Meu caro, seria interessante incluir o texto de Ar...

Powered by