Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Seló, Página dos Novíssimos, N.º 2

Brito-Semedo, 22 Mai 12

 

Rádio Barlavento.jpeg

 

 

Revista Sonora de 26.Agosto.1962

 

 

Nota de Francisco Mascarenhas

 

 

Seló.jpeg

 

 

O próximo número de Noticias de Cabo Verde, a sair dentro de dias, insere mais uma página de “Os Novíssimos”, cuja estreia na imprensa teve lugar há bem pouco tempo, com satisfatórias perspectivas, pela forma como se dignaram começar.

 

Não há dúvida de que é uma manifestação positiva do espírito a actividade dos jovens do grupo em referência. Talvez mais que positiva e até oportuna por coincidir com um momento em que devemos exteriorizar toda a nossa potencialidade construtiva.

 

Numa terra pelo menos até agora tão pobre como a nossa, em que as actividades técnicas se tornam quase sempre impraticáveis por carência de recurso materiais, a cultura e educação do pensamento traduzem uma atitude sem contestação louvável, porque sublima os recalcamentos a que a natureza nos obriga, quando a chuva não vem.

 

Pensar, mas pensar bem, é um meio que enformou os génios da Antiga Grécia, divorciados da abundância, mas consciente da sua missão de homens superiores. Mas é preciso que o pensamento não seja mórbido ou fatalista, monótono e restrito, repetido ou copiado. No pensamento estará o sentido universal e dinâmico da vida, esclarecido e fraternal, vigoroso e profundo.

 

Esperamos que seja essa a orientação que há de nortear a geração dos novíssimos que não deixará de aproveitar do passado um mínimo de experiência ou doutrina. Mas torna-se imperativo um avanço independente, uma temática mais renovada, mais sadia, embora enraizada na terra e nos homens, porque não queremos ficar momificados nos pergaminhos de Parnasso, nem a sombra do grupo Claridoso.

 

A nossa formação literária vai ganhando corpo com os novos elementos que a experiência forja sobretudo quando vivem fora da terra natal e a distância parecer activar as manifestações superiores do pensamento, como o caso de Onésimo Silveira, um dos valores marcantes da chamada literatura caboverdiana.

 

É praticando que se aperfeiçoa, é tentando que se acerta e é sobretudo escrevendo o pensamento que as ideias se aclaram e se desdobram e se enriquecem até.

 

Um pequeno grupo como é o dos “Novíssimos” pode provocar adesão de quantos, retraídos por desconfiança ou incerteza, se cristalizam ou se perdem ainda nascentes no mundo da expressão escrita. E ainda mais: pode promover a consciencialização geral de problemas comuns e de vivência colectiva necessária a um esforço de recuperação total.

 

Já lá vai o tempo das cantigas de amigo e das cantigas de amor, quando o escudeiro deleitava com versos de lua a dama enclausurada no castelo do Senhor Feudal. Hoje a literatura é uma actividade do pensamento e está intimamente ligado aos problemas mais dominante do homem. Um escritor é um mensageiro, um pensador, um elemento que espreita e ausculta o seu semelhante para o ajudar a exprimir-se e a resolver-se.

 

A segunda página de “Os Novíssimos” por certo que representará uma subida de nível em relação à anterior, para que o movimento recém-surgido possa corresponder aos anseios das massas que ele procura representar, traduzir e esclarecer.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Djack

    A primeira medalha faz-me muita "manha", porque nã...

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

Powered by