Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CCM, A Velha Alfândega do Mindelo

Brito-Semedo, 11 Dez 12

Fazendo parte de uma das zonas mais emblemáticas da Cidade do Mindelo, com uma população de pouco mais de 70 mil habitantes, a velha Alfândega, um edifício do século XIX, situada na Avenida Marginal, no seguimento da Ponta-de-Praia, de frente para a Baía do Monte Cara, funcionou no tempo do carvão, dos ingleses e das grandes casas comerciais como um dos alvéolos mais importantes do pulmão da Província, que foi o Porto Grande do Mindelo.

 

Restaurada em 1997, a velha Alfândega alberga o Centro Cultural do Mindelo com uma programação diversificada e rica, que vai desde a música, exposição de pintura e fotografia, passando por exibição de filmes, lançamento de livros e teatro. Para além disso, o Centro recebe eventos de outros centros culturais ou universitários e acolhe iniciativas como “Março, Mês de Teatro” e “Mindelact”, este em Setembro, que já vai na sua 18.ª edição, um evento hoje considerado como o maior festival de teatro de África e um dos maiores de língua portuguesa.

 

O grande desafio do Centro Cultural do Mindelo é que essa mesma Alfândega, a velha Alfândega, que funcionou no passado como uma porta de entrada de produtos das mais diversas proveniências e qualidades, venha a ser – melhor, continue a ser – enquanto Centro Cultural, um ponto de atracção, de convergência e de difusão de produtos culturais nesta Cidade de tantas e tão ricas tradições!

 

- Manuel Brito-Semedo

 


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

5 comentários

De Djack a 11.12.2012 às 20:54

Foi aqui, junto da Alfândega, que vi um dos mais belos sinais de solidariedade humana - ou companheirismo, se preferirmos. Embora reprovável, por questões higiénicas, era de facto enternecedor pela comunhão que transmitia. Tratava-se da passagem de boca em boca de cigarros entre as carregadeiras da Alfândega. Quando uma tinha um cigarro, todas tinham. Ali sentadas, à espera de mercadorias para carregarem à cabeça, havia cigarrinhos que corriam vinte e mais daquelas mulheres.

Braça,
Djack

De Joaquim ALMEIDA (Morgadinho ) a 12.12.2012 às 12:20

Na verdade " Djack " ; para além de sinais de solidariedade humana ,- como tu dizes - era também sinais de pobreza , mas com a sua humildade que a propria pobreza obrigava . A situaçao incerta à espera de um frete , o cigarrinho que passava de boca em boca ,- tcha'm trà um fumo - estimulava aquele tempo ai à espera de conseguir , ( trà um dia d' traboi ) , que lhes permetissem , " pô um catchupa na lume " !..
Velhos tempos " Djack " que jà nao voltam mais . Caboverdianamente aquele obrigado!.
Morgadinho !..

De amendes a 12.12.2012 às 13:44

 "s'tória ... História...
Edificada no reinado de D.Pedro V sendo Ministro da Marinha e do Ultramar o Visconde de Sá da Bandeira e Governador da Provincia de Cabo Verde o Conselheiro Sebastião Lopes Calheiros e Menezes foi aprovada e mandada executar a obra... Começou em Setembro de 1858 e terminou em Dezembro 1860 ( 152 anos de idade)!Tendo sido projectada e dirigida pelo Capitão do Estado Maior do Exercito Januário Corrêa de Almeida, engenheiro civil e militar désta Provincia..."

De José Lopes a 12.12.2012 às 15:08

Isto é uma das peças raras de obra prima de arquitectura colonial, de que Mindelo com orgulho pode vangloriar, tal como os edifícios do Palácio e da Câmara, a réplica da Torre de Belém, a nossa Igreja Matriz, e outros tantos patrimónios que entretanto se esfumaram e que hoje lembramos com pena. Coincide bem com  Palestra "Arte Pública colonial em Cabo Verde", de Joaquim Saial de 14 de Dezembro em Lisboa.

De Anónimo a 12.12.2012 às 16:39

Obrigado pela propaganda de borla!
Vai ser interessante, pela pesquisa feita e pelas imagens que vao ser mostradas.
Mas a cachupa a seguir não será menos apetitosa e a música do Paló, nem se fala.
Braça,
Djack

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • amendes

    Viva Nhô Balta - Sempre!Nos muitos discursos que, ...

  • Joaquim ALMEIDA

    Falando deste " fazedôr de milagres " , que era Dr...

  • FERNANDA BARBOSA

    Depois de tomar conhecimento do conteúdo do texto,...

Powered by