Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fases Evolutivas da Morna

Brito-Semedo, 27 Dez 12

 

Morna.jpeg

 

 

1780/1850 (?)

 

BOA-VISTA

 

Tudo indica que a Morna nasceu na ilha da Boa-Vista, pelo menos uma espécie de proto-morna, com possíveis influências do «doce lundum chorado», vindo de Portugal, e da «modinha» do Brasil. A Morna na Boa-Vista caracterizava-se (e ainda caracteriza-se) por um andamento mais rápido e de estilo rubato. Talvez uma das primeiras mornas conhecidas foi «Babilona» provavelmente composta por Maninha Santos de Povoação Velha.

 

Vasco Martins.jpeg

 

1890 (?)

 

BRAVA

 

Na ilha Brava, o compositor Eugénio Tavares, admirador da poesia romântica e do fado já emergente, compunha as suas Mornas tocando guitarra portuguesa, segundo testemunhos plausíveis. Para além das melodias singelas, reinventa o crioulo poético de canção, com muita elegância. José Bernardo Alfama, publica em 1910 um livro de Canções Crioulas em Lisboa, contendo alguma mornas «bravenses».

 

1910/1950

 

S. VICENTE

 

A ilha de S. Vicente tornou-se um Porto cosmopolita e próspero, devido sobretudo aos capitais financeiros ingleses. A Morna, já cantada pela célebre cantadeira Selibana e temperada por Eugénio Tavares, evoluiu com os músicos Luís Rendall, Muchim d’Monte, Miguel Patáda, músicos virtuosos da «escola brasileira» . B.Léza, o mais representativo, compôs belíssimas melodias com o suporte harmónico dos «meios-tons» (acordes de passagem ou modulativos entre acordes principais).

 

As influências directas da canção brasileira e do tango, então muito na moda, foram decisivas para o amadurecimento estético da Morna.

 

1950/1960

 

Fase intermédia de compositores de talento. Criaram Mornas de subtil traço melódico: Lela de Maninha, Olavo Bilac, Luluzim, e sobretudo Jótamont (Jorge Monteiro), prolífero compositor.

 

1960/1970

 

Assiste-se, a partir de S. Vicente e Praia, a «electrificação» da música de Cabo-Verde, incluindo a Morna. Os grupos «Voz de Cabo-Verde» e os Tubarões, mais tarde, foram os mais significativos. A rítmica da Morna, usualmente dada pelo cavaquinho, foi adaptada na bateria por Franck Cavaquim (que tocava, como o nome indica, cavaquinho!), mas também por Ti Goi .

 

Nascimento da Morna talvez inspirada na «canção internacional» (bolero, canção americana – canção francesa, canção espanhola, etc). Manuel de Novas, é o mais representativo desta nova fase.  Compositor de grande elegância melódica.

 

A Nova Morna

 

Nos anos 70/80, começaram a empregar sequências de acordes pouco usuais (sétimas maiores, por exemplo, como no caso de José Júlio Gonçalves). Entre eles destacam-se Dany Mariano, Ney Fernandes, Jorge Humberto, Tito Paris, Betu, Antero Simas e muitos outros.

 

Assiste-se actualmente a estilos muito pessoais, cada um buscando caminhos, o que pressupõe a maturidade da Morna, ou pelo menos do ser artista, embora a partir de 2000 assiste-se a um ‘silêncio’ da veia ‘mornista’.

 

- Vasco Martins

Direitos protegidos. In http://www.vascomartins.com/Cabo-Verde_ressonancias.htm

 

Vasco Martins & Instituto de Investigação e Património Cultural

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by