Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Djidjê Fortunato

Brito-Semedo, 2 Mar 13

 

Djidjê.jpeg

 

 

José Fortunato Abu-Raya, “Djidjê Fortunato” , nasceu a 30 de Outubro de 1915, em S. Vicente.

 

Pessoa muito conhecida no meio mindelense, desde jovem dedicou-se à prática do golf.

 

Jogador de alta craveira técnica, por diversas vezes representou o clube de golf de S. Vicente em jogos com equipas estrangeiras.

 

Era também dotado de um grande sentido de fair-play.

 

Faleceu a 14 de Maio de 1993, em Portugal, vítima de um brutal acidente de viação.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De ZITO AZEVEDO a 03.03.2013 às 01:34

Djidjê era um homem grande sob qualquer ângulo...Manteve com meu pai uma "guerra" gastronómica em que cada um defendia o seu peixe, como sendo o melhor: o meu pai votava pela pescada e o Djidjê pela bicuda...Para ser franco, eu gosto de ambos, pois até são de sabor semelhante...
Alem do golf, Djidjê tambem gostava de um joguinho de "poker" de cartas, numa sala reservada do Rádio Clube Mindelo onde costumavam juntar-se meia duzia de amigos duas vezes por semana mais para se divertirem do que para ganhar...
Djidjê era uma pessoa pacifica, amiga, comerciante dos sete costados, homem de convicções fortes, gostei muito de o ter como amigo, mau grado a diferença de idades.

De ZITO AZEVEDO a 03.03.2013 às 11:06

Uma pequena adenda ara recordar, dos meus primeiros tempos em S.Vicente, nos idos de 40 do século XX, àcerca da bicuda...Segundo o que constava, BICUDA:  SALGA, SECA E 'SPUNDRA, FICA SI CU MA BACALHAU...Só tenho duvida se se tratava da Bicuda ou qualquer outro peixe...Talvez o Valdemar se recorde!

De Valdemar Pereira a 04.03.2013 às 16:56


Por razões técnicas so agora entro nos blogs e deparo com esta foto de Djidjê Fortunato que foi colega do meu Pai no golfe. Embora não tivesse nenhum contacto com este descendente de sirio (mas diziam de turco) ouvia sempre falar dele pelas suas qualidades.
Ao amigo Zito:
- Relativamente ao peixe, penso que o que parece com o bacalhau é o chamado "pêxe intchode" que vinha de Tarrafal de Monte Trigo. Como na altura não havia o frigorifico, o excedente era escalado e secado. A cada vez que vou a S.Vicente de férias trago o acepipe (esmoregal ou atum) que aprecio tanto como o bacalhau. Ê um produto que sempre trago comigo.

De ZITO AZEVEDO a 04.03.2013 às 17:28

Obrigado ao Val, uma inciclopédia viva!

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by