Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um livro para todos os dias

Brito-Semedo, 1 Abr 13

Cada manhã traz-nos sempre um dia por estrear, um dia por abrir, um dia por desembrulhar… Mais tarde, quando fazemos o balanço dos dias, encontramos dias para todos os gostos, desde aqueles verdadeiramente memoráveis, aos que passam por nós quase sem darmos por eles.

 

Um livro pelo qual desfilam muitos dias e momentos, capazes de nos transportar através da memória dos nossos próprios dias.

 

Um livro para crianças crescidas e também para adultos que gostam de livros ilustrados.
 
Recomendado por Gulbenkian/Casa da Leitura

 

A aguardada reedição de “Um livro para todos os dias”, embora num formato ligeiramente maior, continua a exercer o seu encanto, indiferente a quaisquer destinatários preferenciais: esconde-se na gaveta da mesa de cabeceira, espreita na mala, escorrega da pasta, disfarça-se de manual. Pode ler-se em voz alta (cantado, declamado, gritado!) ou segredar-se ao ouvido. Pode até prescrever-se como remédio contra resfriados (e patrões) teimosos e desalentos persistentes. Pode oferecer-se. Hoje, por exemplo. (Fonte)

 

Paula Pina, blog Cria, Cria

 

"Há dias tão grandes que parecem um mês inteiro. Há dias que passam num abrir e fechar de olhos.

 

Há dias para lembrar. Há dias para esquecer.

 

Há dias em que só pensamos no futuro. E dias em que temos saudades de quase tudo.

 

Há dias reais. Dias irreais. E dias surreais.

 

Há dias de greve. De trânsito e de engarrafamentos.

 

Há dias de eleições e de novos governos.

 

Há dias sem carros.

 

Há dias da mãe, do pai e da criança. Dias da música, da água e da dança. E há dias em que perdemos a esperança.

 

Há dias em que nos apetecia mandar nisto tudo!

 

E dias de sofá.

 

Há dias em que precisamos de um café. E dias em que precisamos de um abraço.

 

Há dias que pedem uma banda sonora. E há dias em que nos apetece cantar no duche.

 

Há dias e dias. E dias que não são dias.

 

Há dias que deviam durar para sempre.

 

Há dias que já lá vão. Há dias que nunca mais chegam.

 

Há dias em que contamos os dias para as férias.

 

Há dias em que vamos ao quadro.

 

Há dias em que fazemos asneiras.

 

Há dias em que perdemos a cabeça."

 

 

Autor: Isabel Minhós Martins

Ilustração: Bernardo Carvalho

Editora: Planeta Tangerina

Idade Recomendada: 7 anos

Nº Páginas: 56

Encadernação: Cartonado

Dimensões: 16,5 x 16,5 cm

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Wilson Candeias

    Caro Professor Brito SemedoCabo Verde precisa de p...

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

Powered by