Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

O livro A rainha dos estapafúrdios valeu ao escritor angolano José Eduardo Agualusa o prémio Manuel António Pina, criado este ano para distinguir obras da literatura para a infância e juventude, revelou hoje [14.Junho] o júri à agência Lusa. Com ilustrações de Danuta Wojciechowska, editado em 2012 pela D. Quixote, o livro narra as aventuras da perdigota Ana, uma pequena perdiz cinzenta que, à procura de uma plumagem mais colorida, cai num arco-íris e que, depois de muitas peripécias, se transforma na rainha da savana.

 

O júri foi consensual em atribuir o prémio desta primeira edição a A rainha dos estapafúrdios, por ser a obra que reuniu todos os requisitos do galardão, criado em honra de Manuel António Pina, disse Adélia Carvalho, um dos elementos do júri.

 

O Prémio Manuel António Pina, no valor de 2.000 euros, foi criado pela editora Tcharan para premiar textos de literatura infanto-juvenil do universo lusófono, em honra do escritor, falecido em outubro passado.

 

O júri, que integrou ainda o escritor Álvaro de Magalhães e a jornalista Inês Fonseca Santos, atribuiu uma menção especial, no valor de 500 euros, a Emílio Remelhe, que assina com o pseudónimo Eugénio Roda o livro "minhamãe", ilustrado por Gémeo Luís, pela Edições Eterogémeas.

 

De acordo com Adélia Carvalho, escritora e uma das fundadoras da editora Tcharan, a esta primeira edição do prémio concorreram cerca de 1.500 textos de autores sobretudo de Portugal e do Brasil.

 

José Eduardo Agualusa, 53 anos, que acaba de publicar o romance A vida no céu, autor de outras obras para a infância e juventude, como Estranhões e Bizarrocos, Nweti e o mar e A girafa que comia estrelas.

 

O prémio e a menção especial serão entregues a 18 de novembro no Porto, no dia em que Manuel António Pina completaria 70 anos.

 

Poeta, cronista, jornalista e Prémio Camões em 2011, Manuel António Pina morreu aos 68 anos, a 19 de outubro, deixando sobretudo poesia e obras para a infância e juventude.

 

A estreia literária deu-se em 1973 precisamente com uma obra para os mais novos, intitulada O país das pessoas de pernas para o ar, reeditado pela Tcharan com ilustrações de Marta Madureira.

 

A esse juntam-se outras obras como Têpluquê, Gigões & Anantes, Pequeno livro da desmatemática, "História com reis, rainhas, bobos, bombeiros e galinhas e O cavalinho de pau do menino jesus.

 

Lusa/SOL

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

  • Anónimo

    Meu caro, seria interessante incluir o texto de Ar...

Powered by