Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Morro Bem, Salvem a Pátria!

Brito-Semedo, 26 Out 10

 

Assassinado à queima-roupa na estação do Rossio, em Lisboa, Sidónio Pais é, sem sombra de dúvida, uma das figuras mais controversas e enigmáticas da História de Portugal. A acção deste livro centra-se no dia da sua morte, recuando aos tempos que precederam o homicídio de Sidónio e prolongando-se até depois do seu desaparecimento. Mais do que uma reconstituição histórica, trata-se de um texto ficcional, intenso e dramático, no qual, para falar de Sidónio Pais, são convocadas muitas vozes «de Fernando Pessoa a Álvaro de Campos, passando pelo Repórter X» que tentam perceber quem foi o homem, o que sonhou, o que desejou para Portugal, e como o presidente da «República Nova» via o mundo, de que se despediu aos 46 anos. Presidente populista com uma visão autoritária e fortemente personalizada da função máxima do Estado, Sidónio entrou no imaginário popular: para uns, como salvador da pátria; para outros, como um impenitente mulherengo; para outros, ainda, como o Presidente-Rei», nas palavras de Pessoa. Assim ganhou a dimensão de mito após a sua morte. Um mito que perdurou e que é resgatado em Morro Bem, Salvem a Pátria!. Registadas para sempre por um jornalista inspirado, terão sido essas as últimas palavras de Sidónio? (Aqui)

 

Título: Morro Bem, Salvem a Pátria!

Autor: José Jorge Letria

Ano da Edição: 2010

Editora: Oficina do Livro

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Djack

    A primeira medalha faz-me muita "manha", porque nã...

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

Powered by