Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Uma janela aberta, uma música tocada ao piano pelo filho Martim, e um coelho a passar em plena planície alentejana deram a Miguel Sousa Tavares a inspiração para o seu novo livro infantil.


«Ismael e Chopin» conta a história da improvável amizade entre o coelho bravo Ismael (uma homenagem a Moby Dick) e o jovem músico Chopin, com ilustrações de Fernanda Fragateiro.


«Tenho uma casa no Alentejo onde vou muitas vezes com o meu filho. O Martim tem lá um piano onde toca horas sem fim. Às vezes estou no terraço e oiço a música que está a tocar. Um dia, ele estava a tocar e passou um coelho bravo e foi assim que surgiu a história», contou o jornalista no dia do lançamento do livro, que decorreu no CCB, na sala Almada Negreiros.


Uma revelação que surpreendeu o próprio Martim Sousa Tavares que, ao piano, interpretou algumas peças de Chopin. «O meu pai disse que eu me esqueço da janela aberta, mas não, eu deixava-a aberta de propósito para lhe dar o prazer de ouvir. Mas não sabia que tinha sido assim que lhe apareceu a história deste livro. Ainda bem que ele disse isto depois de eu tocar, senão tinha sentido ainda mais pressão (risos)», explicou.


O filho mais novo do jornalista, de 18 anos, está a estudar direcção de orquestra e prepara-se para ser o primeiro músico da família.

«O meu pai é só um ouvinte apoiante. Não pode ser crítico porque não tem formação musical para isso, tal como eu não posso ser crítico literário dos livros. Eu gosto do trabalho dele e ele do meu. Sou o primeiro músico da família e é uma grande responsabilidade, até porque estou a começar um caminho numa família que tem uma grande inclinação literária. Se calhar vou abrir aqui um novo capítulo na história familiar», revelou.


Miguel Sousa Tavares assistiu atentamente à prestação do filho e não lhe poupou elogios. «Eu sei o que o Martim treina. São muitas horas todos os dias».


Sobre «Ismael e Chopin», o jornalista diz: «É o melhor livro que escrevi até hoje» e explica porque é que gosta tanto deste género de escrita: «Escrever para crianças é um dever cívico, é quase um serviço público. Acho que se devia fazer um teste a todos os autores e quem nem soubesse escrever um livro para crianças não devia editar mais. É essencial. Temos de lutar pelos livros e começa-se a lutar pelos livros em pequeno e não em grande. Estou em cruzada contra os livros electrónicos, contra o facilitismo. E a minha contribuição é tentar escrever o melhor que sei para crianças», assegura.

Rita Sousa Tavares confessa que ainda não leu o último livro do pai. «Estou curiosa. O meu pai é um contador de histórias. Adora contar histórias e acho que já contou muitas aos meus filhos, assim como eu. Mas não na minha presença. O processo de escrita do meu pai é muito solitário, como o de todos os escritores». in Lux.pt

 

Título: Ismael e Chopin

Autor: Miguel Sousa Tavares; ilustração de Fernanda Fragateiro

Edição/reimpressão: 2010

Páginas: 68

Editor: Oficina do Livro

 

______________

 

Miguel Andresen de Sousa Tavares (25 de Junho de 1952) é jornalista e escritor.

 

Nascido no Porto, cresceu em Lisboa, onde se licenciou em Direito e exerceu a advocacia, por mais de uma década. Começou a trabalhar na televisão em 1978, na Radiotelevisão Portuguesa. Em 1989 participou na fundação da revista Grande Reportagem, que dirigiu entre 1990 e 1999. Ainda em 1989 foi também director da Sábado, mas manteve-se pouco tempo no cargo, devido à instabilidade interna da revista, que acabaria por fechar. Em 1990 começou a colaborar no Público, onde publicou crónicas até 2002. Ao mesmo tempo, estendeu a sua colaboração ao jornal desportivo A Bola, à revista Máxima e Diário Digital. Voltou à televisão, como apresentador de Crossfire na SIC, com Margarida Marante. Em 1999 partilhou com Paula Teixeira da Cruz, o debate Em Legítima Defesa, moderado por Pedro Rolo Duarte, na TVI. Em 2000 viria, na mesma estação, a marcar presença assídua às terças-feiras no Jornal Nacional, na análise à actualidade nacional e internacional.  

 

Das várias incursões literárias, resultaram compilações de crónicas, vários romances, livros de contos e uma história infantil. Equador, de 2004, foi um best-seller, estando traduzido em mais de uma dezena de línguas estrangeiras. Rio das Flores, em 2007, teve uma primeira tiragem de 100 mil exemplares. Recebeu o Prémio de Jornalismo e Comunicação Victor Cunha Rego, em 2007.

 

Actualmente é colunista semanal do jornal Expresso e conduz entrevistas em Sinais de Fogo, na SIC. Mantém ainda a crónica n' A Bola, onde se evidencia como adepto do Futebol Clube do Porto.

in Wikipédia

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by