Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Hipátia.jpeg

Maria Dzielska, investigadora polaca, apresenta-nos neste livro a verdadeira história da vida e morte de Hipátia. Para isso, regressa à Alexandria do tempo em que a matemática e filósofa viveu, construindo um quadro convincente dos seus discípulos e ensinamentos e revelando as tensões políticas e religiosas que levaram ao seu brutal assassínio.

 

Hipátia nasceu em Alexandria por volta do ano de 370 d. C. Era filha de Teão, um matemático, filósofo e astrónomo conhecido no seu tempo. Hipátia estudou em Atenas, e, de regresso à sua cidade natal, tornou-se professora de matemática e de filosofia.

 

Era uma oradora carismática e manteve-se solteira declarando-se «casada com a verdade». Escreveu comentários a obras clássicas, como à Aritmética de Diofanto e às Secções Canónicas de Apolónio e tudo indica que conhecia a obra de Ptolomeu. Pelas cartas escritas por Sirenius, um dos seus alunos, sabemos que se dedicou também à construção de astrolábios.

 

Em termos filosóficos, era neoplatónica, uma escola que na sua época e em Alexandria tinha a oposição dos grupos cristãos. Segundo testemunhos mais ou menos lendários era também uma mulher muito bela. No ano 415, Hipátia foi brutalmente assassinada por uma turba de cristãos que a considerava herege. Existem diversas versões do seu fim, sendo a mais difundida a de Edward Gibbon: numa manhã da Quaresma de 415, Hipátia foi atacada na rua quando regressava a casa na sua carruagem. A multidão arrancou-lhe os cabelos e a roupa, depois os braços e as pernas e queimou o que restava do seu corpo. Hipátia foi um dos últimos intelectuais conhecidos a trabalhar na Biblioteca de Alexandria e a primeira mulher matemática que a História regista. Por isso a sua morte violenta foi considerada o fim do período antigo da matemática grega.

 

Hipátia foi tema de um romance de Charles Kingsley, e recentemente o espanhol Alejandro Amenabar realizou um filme, Ágora, sobre a sua vida.

 

«...exemplo de como a História raramente se faz sem erudição, tenacidade, inteligência e muito trabalho.»

José Riço Direitinho, revista Ler

Autora: Dzielska, Maria

Título: Hipátia de Alexandria

Editora: Relógio D'Água

Ano de Edição: 2009

 

Hipátia.jpeg

M12

País: Espanha

Ano: 2009

Género: Acção/Aventura, Épico, Drama Romance

Duração: 126m 

Ficha Técnica

Realização: Alejandro Amenábar

Interpretação: Shraf Barhom, Max Minghella, Oscar Isaac, Rachel Weisz

Argumento: Alejandro Amenábar

 

Sinopse

 

Século IV. No Egipto, sob o poder do Império Romano, violentos confrontos sociais e religiosos invadem as ruas de Alexandria… Presa entre paredes, sem poder sair da lendária livraria da cidade, a brilhante astrónoma, Hipátia, com a ajuda dos seus discípulos, faz tudo para salvar os documentos da sabedoria do Antigo Mundo… Entre os discípulos, encontram-se dois homens que disputam o seu coração: o inteligente e privilegiado Orestes e o jovem Davus, escravo de Hipátia, dividido entre o amor secreto que nutre por ela e a liberdade que poderá ter ao juntar-se à imparável vaga de Cristãos (Ver Trailer Aqui). in Cinema.Sapo

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by