Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Esquina Pintado de Fresco!

Brito-Semedo, 5 Abr 10

 

Fresco.jpeg

 Rua de Lisboa, Mindelo

 

– Meninos, estava cá deitada a pensar comigo mesma que está na altura de darmos uma demão de cal nesta casa! Mais a mais porque as festas estão a chegar! Tenho de começar a pôr uns tostõezinhos de parte para comprar uns quilos de cal, não muito porque a vida não está a dar para mais. Ouvi dizer que lá na Drogaria de Nhô Céza tem uma boa cal da Boa Vista[1]! A de Lisboa é muito cara! Que achas Xanda?!

 

– Tá dret, Mãi Liza! Eu já tinha pensado nisso. Posso até pedir um adiantamento no meu serviço para poder ajudar! Ah, lembrei-me agora que Nha Comadre Chiquinha tem um dinheiro para me dar, já faz tempo. Vou amanhã mesmo falar com ela, sem falta!

 

Recordo ou imagino (?!) este diálogo entre a minha Avó, a minha Mãi Dona, e a Mãi Xanda.

 

Foi esta a imagem que, num ápice, me veio à mente quando li a proposta da Trêza, a responsável pela dinamização e destaques da Comunidade da SAPO Cabo Verde, que também é Designer:

 

“Tenho acompanhado o seu blog que promete transformar-se num enorme e valioso depositário de memórias e alicerces da Cultura de Cabo Verde. Assim, para além de o ter colocado em destaque na homepage do SAPO Cabo Verde (http://www.sapo.cv) e na homepage dos Blogs SAPO CV (http://blogs.sapo.cv), gostaria de elaborar um layout exclusivo para o seu blog”.

 

A abordagem deixou-me desarmado e sem argumentos e só tinha de aceitar a cal de Lisboa, adquirida nas melhores drogarias, com pincel da mais alta qualidade e mão-de-obra especializada incluída.

 

É assim que o SAPO nos brinda, a mim e aos que me lêem, refrescada e pintadinha de fresco, do telhado até ao chão, com esta Na Esquina do Tempo!

 

Apetece-me fazer um post – este – e colocá-lo em lugar de destaque com os seguintes dizeres: “Cuidado! Não encostar Na Esquina! Pintado de fresco!”

 

Acabo por me decidir por algo em tom mais ameno e apelativo: “Venham ver como Na Esquina do Tempo ficou mais bnitin e revisitar as estórias de diazá!”

 

Blog B-S.jpg

 

Obrigado, Trêza! Obrigado, Equipa do Sapo Internacional! O vosso trabalho está um brinquinho!

 

- M. Brito-Semedo

_____________

[1] Havia também a cal da Ribeira de Julião e da Seladinha de Cal, que era mais barata, mas essa era usada na argamassa da construção civil e não para caiar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

10 comentários

De tchenta a 01.07.2017 às 08:52

incrivel! gostaria de viver na quel tempo sanente era sabe.obrigado pessoal porque cada vez k'um bem espia ess site,é um alegria pah mi

De Joaquim ALMEIDA a 08.07.2017 às 12:34

Passà sempre Tchenta ;  de vez enquando bô dobrà ness " Esquina "  porque ali tem sempre algo culturalmente historico de nôs terra , particularmente de Sao Cente ondê qu ' bô t ' ôtchà , assuntos de desporto de cultura e grandes personagens de Cabo Verde de ôtes tempos , enfim de tudo !..Um abraço de caboverdianidade !..

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Wilson Candeias

    Caro Professor Brito SemedoCabo Verde precisa de p...

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

Powered by