Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Saudade e a Morabeza Crioulas

Brito-Semedo, 7 Abr 10

 

Praça Praia.jpeg

Praça Alexandre Albuquerque, Praia. Foto Gerson Brito-Semedo, 2005 

 

 

A saudade e a morabeza (a vogal da sílaba tónica deve ser lida de forma aberta) podem ser consideradas como o verso e o reverso do mesmo sentimento que melhor caracteriza e identifica o homem cabo-verdiano, ser expansivo e de trato fácil.

 

No Princípio era a Saudade...

 

Cabo Verde nasceu sob o signo da saudade. Em 1462, dois anos depois da sua descoberta, começou a tarefa do povoamento das ilhas, com europeus e escravos trazidos da costa de África, como forma de fazer delas um ponto de apoio à navegação e de assegurar a continuidade das Descobertas mais para o Sul e do comércio da costa.

 

Tanto o Europeu como o Africano, longe da sua terra-natal e dos seus, desenvolveu um sentimento de perda e de saudade. Posteriormente, fundindo na mestiçagem essas saudades de continentes diferentes, surgiram as cantigas crioulas, que deram origem à morna, de tom dolente e nostálgico.

 

De facto, cedo o homem cabo-verdiano habituou-se a ver chegar e partir pessoas de outras paragens, até ele próprio começar a sair em busca de melhores condições de vida. Por isso, encontra-se hoje nos quatro cantos do mundo, o que faz de Cabo Verde um país com uma população no exterior equivalente à residente.

 

Assim, todo o Cabo-verdiano tem um filho, um parente, um compadre ou um amigo a viver em outra ilha, ou mesmo emigrado no estrangeiro, que visita a terra com regularidade e com quem mantém relações próximas.

 

Vista Mindelo.jpeg

Praça Nova (vista aérea), Mindelo.
 
 

... e Depois a Morabeza

 

O facto de o Cabo-verdiano aspirar a viajar, conhecer novas terras e povos, ter pessoas próximas a viver em outras terras, como emigrante ou mesmo como estudante, pode ter desenvolvido em si uma disponibilidade natural para receber de forma amável qualquer visitante, desde o seu vizinho a gente de outras localidades, outras ilhas e outras nacionalidades. É esta atitude amigável, simpática e gentil de receber e de querer agradar e compartilhar que é, afinal, uma maneira de expressar a forma como gostaria de ser recebido, que é a morabeza.

 

Este sentimento, que é mais visível e praticado nos meios rurais, manifesta-se, contudo, de forma particular em cada uma das ilhas. Por exemplo, em Santo Antão havia, até há bem pouco tempo, o hábito de convidar os viajantes que faziam as suas jornadas a pé a entrar nas casas ao longo do caminho e secar o calor, que é, como quem diz, beber um cálice de aguardente (o grogue) e descansar um pouco. Nas outras ilhas agrícolas, nomeadamente em Santiago, nunca se vai fazer uma visita sem levar um agasalho, ou seja, uma prenda para os donos da casa, que pode ser um lenço de amarrar (lenço de cabeça), uma garrafa de grogue, algum rapé, ou um palmo de tabaco enrolado. O visitante, para além de ser bem recebido, normalmente regressa com um cabrito, um frango, ovos, leite coalhado ou queijo fresco, ou um saco contendo banana, papaia, mandioca, batata-doce, enfim, os produtos hortícolas que estiverem disponíveis no momento.

 

Ser morabi (a expressão é da ilha Brava), afável e gentil, é a expressão do sentimento da morabeza, que é, afinal, a forma de o Cabo-verdiano estar no mundo.

 

- Manuel Brito-Semedo

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De M.L.M a 12.04.2010 às 17:44

Verdadeiramente são blogs deste gênero que a cultura caboverdiana precisa. Parabens Sr. Brito.
Realmente morabeza é o que descreveste acima. E Morabeza é também o aspecto deste Blog, se me permite dizer, é típicamente caboverdiano. Acredito que todos que visitarem este Blog saem bem agasalhados, e sentem que, entrar nessa esquina e passar pela sua rua, mesmo quem não esteve nos tempos passados escritos aqui, sente-se que é descendente desse tempo. Essa rua que literáriamente faz-nos viver e reviver o que é nosso. Essa literatura rica como a nossa cachupa-rica que só as mãos das belas e tradicionais mulheres e homem com uma intelectualidade nobre sabe fazer, o cheirinho do grogue que os nossos homens acompanham nos seus jogos de uril nas suas acolhedoras varandas das suas casas, cruza-se com mulhres trabalhadeira de lenha à cabeça, crianças nas suas recriativas brincadeiras, enfim nessa esquina vive-se o tempo.
Eu adoro a nossa cultura e todos que contribuem pela sua evolução e conservação.

PARABENS MAIS UMA VEZ. CONTINUI QUE TERÁS A RECOMPENSA MERECIDA A TEMPO CONVENIENTE. ATÉ QUEM SABE UMA ESQUINA EM SUA HONRA COM O TEU NOME.

QUE DEUS ABENÇOE

De Brito-Semedo a 12.04.2010 às 20:51

Caro M. L. M., Obrigado por ter parado "Na Esquina" e por ter trocado um dedo de prosa e participado nas conversas. Faça-se bem-vindo e um frequentador frequente! Morabeza cabo-verdiana é isso que fez, apreciar e reconhecer o trabalho ou a capacidade do Outro e valorizá-lo, dizendo-lhe isso mesmo! Morabeza é também partilhar aquilo que se tem, como agora fez, evocando outras formas da manifestação cabo-verdiana. Essa de vir a ser nome de uma esquina é motivo de uma outra resposta (hi, hi, hi)! Um abraço e marco um próximo encontro "Na Esquina"!

De M.L.M a 12.04.2010 às 17:58

Disculpe só para esclarecer.
Quando disse que "merecias ser honrado atribuindo um nome à uma esquina" espero não ter sido redículo. É que desejaria mesmo que fosse uma que fez parte da sua vida, porque acredito que o senhor baseou-se nisso para dar esse nome ao blog, (pelo menos é o que pude perceber lendo os seus textos aqui no blog), e aqui partilhar, com os que fizeram parte das tuas vivencias nessa rua, os velhos e inesquecíveis tempos.
mais uma vez, sucesso.
A nossa cultura agradece.

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Wilson Candeias

    Caro Professor Brito SemedoCabo Verde precisa de p...

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

Powered by