Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dia do Professor Cabo-verdiano

Brito-Semedo, 23 Abr 12

 

BL.jpeg

 

 

Baltasar (Osvaldo Alcântara) Lopes da Silva 

 

(São Nicolau, 23 de Abril de1907 – 28 de Maio de 1989)

 

 

Romancista, contista, poeta, filólogo e ensaísta. Fez os primeiros estudos em Cabo Verde, licenciou-se em Direito e em Filologia Românica pela Universidade de Lisboa. Regressou depois ao seu arquipélago, tendo-se fixado na cidade do Mindelo, na Ilha de São Vicente, onde exerceu a advocacia e foi professor e reitor do Liceu Gil Eanes. Após a independência do seu país, foi membro do Conselho de Justiça da República de Cabo Verde. Foi doutor honoris causa pela Universidade de Lisboa, para cuja Faculdade de Letras havia sido convidado em meados da década de quarenta como professor, convite que declinou.


Como poeta assinava com o pseudónimo de Osvaldo Alcântara. Recolheu e traduziu contos e poesias populares crioulas.

 

Fundador e grande animador da revista Claridade, é autor de Chiquinho, 1947; Cabo Verde visto por Gilberto Freyre, 1956; O dialecto crioulo de Cabo Verde, 1957; Antologia da Ficção Cabo-Verdiana Contemporânea, 1961; Cântico da Manhã Futura (poemas), 1986 (com o nome poético de Osvaldo Alcântara); Os trabalhos e os dias (contos), 1987; e Escritos Filológicos e Outros Ensaios, 2010. (Fonte)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

6 comentários

De Valdemar Pereira a 25.04.2011 às 12:29

Lembrança !!!
[Error: Irreparable invalid markup ('<p [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Lembrança !!!
<P class=incorrect name="incorrect" <a>Nhô</A> Bastas foi o meu primeiro professor de francês. Mais tarde, quando voltei como externo para fazer os exames no Salão de Desenho, apanhei-o como examinador da disciplina e de Português (em substituição da dra. Artemiza que partira na véspera). Foi bonito!!! </P>
Sem querer dar-me um estenderete, deu-me um puxão de fazer nas calças e, quando foi felicitar o meu pai que lhe disse "eje dzem cma bocê chpremê-l", Dr. Baltazar respondeu-lhe "ele tinha de fazer um exame à altura da escrita".
Nunca esqueci o melhor momento culto da minha vida que foi esse dia.
Que Nhô Baltas nunca seja esquecido na nossa Historia. Mesmo com criações fantasmagôricas.

De Brito-Semedo a 25.04.2011 às 13:32

Bro , a sua geração e a minha, que chamo da "Geração do Madeiral ", deve muito a professores liceais barras como Nhô Báltas , Nhô Roque e tantos outros. Seria interessante também fazer-se um levantamento dos professores-explicadores e do seu papel, sobretudo na preparação ao exame de admissão ao liceu. Lanço-lhe esse desfio! O "Na Esquina" sentir-se-á honrado em publicar esse seu texto. Mãos à obra! Um forte abraço!

De Valdemar Pereira a 25.04.2011 às 15:48

Amigo, relativamente ao repto,
No meu tempo, quando interrompi os estudos para os meninos de Chã de Cemitério que jogavam "4 trocada 8 cabada" ali à porta da nossa casa - tinha eu apenas 12 anos - os mais famosos eram o então Antero de Fula (antes de ir estudar para Portugal), Pereirinha que cedo nos deixou com "doença fraca", Djosinha de sr. Vasco Lopes e Toi Carolino (sua mãe nha Carolina, da Chã de Cemitério, era doente-de-cabeça) concunhado do dr. Antero Barros.
Pouco depois apareceu um que, com apenas a 4a classe, era mais competente do que certos "diplomados": - Sr. Alfredo Brito, boavistense, mindelense de coração.
Quando um aluno dizia ter sido aluno do Sr. Alfredo, era garantido que podia falar no mais-que-perfeito-do-conjuntivo e não escrevia, desenhava as letras como um calígrafo.
Fui seu aluno apenas uma semana (devido a distância) mas tive um seu afilhado (de nome Manuel Costa, que era guarda de escocá-caca) que me ensinava a caligrafia.
Se não aceito o repto que ora me lança é porque não tenho dados concretas e não desejo ser contradito. Mas cá estarei sempre neste lugar para tudo quanto me for possível.
Tcheu mantenha

De Brito-Semedo a 25.04.2011 às 15:59

Compreendo a sua situação. Será que algum criston de Deus me pode ajudar? Vou atravessar a Salina e dar uma saltada à Rua da Praia-de-Bote e bater à porta do Zizim Figuera . Espero que ele esteja disponível! Um braça pa bocês dôs!

De ilheuraso a 23.04.2012 às 12:58

Bravo!!
Gostei.

De Amendes a 23.04.2012 às 20:07

Saudoso Professor ...Quando coço as orellhas lembro-me sempre de ti... 
Hoje, sinto pena de não ter apanhado antes d chicote dos teus conselhos!

Bem haja ao "Esquina" p'la lembrança

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

Powered by