Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Costumes de SonCent de Diazá

Brito-Semedo, 17 Abr 11

 Vista Geral do Mindelo (anos de 1930)

 

 Carregadeiras de Cais (1942)

 

 Puxadores de Zôrra (1942)

 

 Colá San Jôn (1960)

 

Fotos do acervo pessoal, cedidas gentilmente por Jorge Martins

 

Segue um vídeo com imagens e vivências antigas da Cidade do Mindelo, São Vicente, acompanhado com a morna "Tempe de Caniquinha", de Sérgio Frusoni, interpretada por Bana.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De Carla Brito a 19.04.2011 às 13:54

Ola Prof. Brito,


Adorei ver S.Vicente na "tempo de c'niquinha . So voce mesmo poderia fazer este lindo trabalho.


Carla Brito

De Brito-Semedo a 20.04.2011 às 00:04

Oi, Carla, que bom encontrá-la aqui "Na Esquina"! Tudo de bom para si e "dá fala", como dizemos em S. Vicente. Um braça!

De Valdemar Pereira a 20.04.2011 às 06:21


Uma música é conhecida (ou procurada) pelo seu titulo, o que o autor lhe deu e que gostaria que ficasse pela eternidade.
Assim, as "facadas" que se dão às letras das nossas mornas, nomeadamente as mais conhecidas, são feridas que doem a cada vez que uma voz aparece a cantar... falso.
Digo isto a proposito da morna a que chamei um dia "um hino à ilha do Porto Grande" que é a obra imortal de Sérgio Frusoni, obra que um dia me deu para o primeiro teatro do Castilho, morna que foi cantada pela primeira vez pelo seu filho Franco - "Tempe de Caniquinha". Sim, é este o seu titulo e começa "um tempe Soncente era sabe" e não "Soncente um vez era sabe".
Se esta ùltima expressão é bastante usada ela não é o que o Senhor Sérgio escreveu. Hà até quem meta "pracinha", "laginha" e não sei que mais. Jà o compositor Jotamont se enervava quando "estragavam" as mùsicas dos outros e penso que o autor da morna, homem pouco falador, não ficaria satisfeito com a mudança das palavras.
Estou pronto a provar o que digo com o "original" escrito pelo autor e que penso oferecer ao Mindelact oportunamente.
Obrigado por esta ocasião de falar sobre o assunto.

De Brito-Semedo a 20.04.2011 às 19:26

Obrigado, Amigo Valdemar, pela sua nota e protesto. Entendo a sua preocupação mas, por vezes, há que se dar algum desconto devido à falta de conhecimento e ou de informação. Contudo, não deixa de ser um crime de lesa cultura e indução ao erro às gerações futuras.

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Djack

    A primeira medalha faz-me muita "manha", porque nã...

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

Powered by