Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Lançamento-Livro-EDITORIAIS.jpg

 

 

Cidade da Praia, 26 Set (Inforpress) – O jornal Expresso das Ilhas lança hoje, na Cidade da Praia, a primeira colectânea de editoriais publicados neste semanário de 2010 a 2017, para assinalar os 25 anos da Constituição da República de Cabo Verde.

 

Em declarações à Inforpress, o responsável pela coordenação editorial, Manuel Brito-Semedo, explicou que a nova direcção do jornal, que assumiu as funções em Agosto de 2010, resolveu dar uma nova orientação a este semanário, separando a parte de opinião da parte informativa.

 

Segundo Brito-Semedo, nas jovens democracias, os jornais estão “muito ligados” aos partidos políticos, mas, com o passar dos tempos, verifica-se uma evolução e, paulatinamente, desprendem-se dessa conotação e passam a servir o público.

 

“O Expresso das Ilhas passando daquela fase (2001, altura em que o jornal era conotado com o partido na oposição) assumiu a sua posição de separar os factos das opiniões e das especulações. A nova direcção decidiu dar uma nova orientação e foi buscar um modelo de fazer jornal com secções, e todas as semanas o jornal tem uma opinião sobre um facto político, social, económico do país”, disse.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Independente.jpg

Na altura em que se comemora o 25.º aniversário da Constituição da Liberdade, da Liberdade de Expressão e da Liberdade de Imprensa, a Esquina do Tempo evoca os 175 anos da criação da imprensa em Cabo Verde (Boa Vista, 24.Agosto.1842) e os 140 anos do Independente, o primeiro jornal cabo-verdiano (Praia, 01.Outubro.1877).

 

A primeira tipografia foi trazida para Cabo Verde em 1842, tendo começado a funcionar nesse mesmo ano a Imprensa Nacional de Cabo-Verde e Guiné. A introdução da imprensa no arquipélago, tal como nas outras províncias ultramarinas, foi uma consequência do Decreto de 7 de Dezembro de 1836, do ministro da Marinha e do Ultramar, Marquês Sá da Bandeira, que mandava publicar boletins oficiais nas províncias ultramarinas para o que era, portanto, necessário tipógrafos locais ou idos da Metrópole (José Gonçalves, 1966).

 

À excepção do Estado da Índia (1837), a tipografia só foi instalada nos outros territórios ultramarinos depois de Cabo Verde: Luanda, em 1845; Macau e Timor, em 1846; Ilha de Moçambique, em 1854; São Tomé, em 1857; e Bolama (Guiné), em 1879.

 

O advento da imprensa periódica em Cabo Verde é assinalado com a publicação, na ilha da Boa Vista, do número I do Boletim Official do Governo Geral de Cabo-Verde, posto a circular na quarta-feira, 24 de Agosto de 1842, sendo então Governador Geral o Brigadeiro Francisco de Paula Bastos (1842-1845). Na "Parte não Official" (p. 4) do Boletim podiam ler-se as seguintes palavras:

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

Powered by