Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

  

Prosas Soltas - Capa.jpg

“A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros”

Aos Romanos, cap. 13, versículo 8

 

Esta tem sido a minha filosofia de vida recebida pelos ensinamentos da Bíblia através da Igreja Protestante e por via da educação austera dos princípios de pobreza honesta transmitida pela Ma Liza, que Deus a tenha na sua Glória. Cultivo e sigo isso escrupulosamente e tentei transmiti-lo aos meus filhos: não dever nada a ninguém.

 

Tenho, ou melhor, tinha uma dívida com a Escritora e Amiga Fátima Bettencourt há já bastante tempo, que me vinha tirando o sono (agora entendo porque durmo mal!). Explico. Aqui há uns anitos, depois de uma excelente apresentação de livro, eu disse à Fátima Bettencourt que, quando “crescesse” eu escreveria um livro para ela fazer uma apresentação igual. Mas ela não me levou a sério… Aliás, não sei por que as pessoas não me levam a sério. Talvez seja por causa deste meu ar e fama de m’nine buzóde.

 

Por pirraça, encostei-me à Esquina do Tempo, muni-me de uma mão cheia de crónicas e convoquei a Fátima Bettencourt, não uma, mas duas vezes para fazer a apresentação das Crónicas de Diazá, em 2009, e das Crónicas de Mindelo, em 2014.

 

– Manel, chegou a hora de pagar a dívida, disse-me a Fátima Bettencourt, não por estas palavras ou com este tom, mas foi mais ou menos isso. Como é meu princípio, “A ninguém devais coisa alguma”, não tinha como recusar ou esquivar. Sim, e ainda vou com sorte se for dispensado de pagar a segunda parcela da dívida, com o argumento de que este Prosas Soltas é equivalente em número de páginas aos meus dois livros de crónicas. E porque é fim d’óne, as dívidas deste ano não devem transitar para o próximo. Se assim não for, já-m psû nhondénga. M ca tem come pagá.

 

Finalmente já posso dormir descansado e voltar para o ano com um novo livro de crónicas para assinalar os meus 65 anos de idade e 20 de publicação. Para variar, a apresentadora dessa vez vai ser a Escritora Dina Salústio! (Eu e as minhas mulheres-apresentadoras na Esquina!) Aproveito que a minha Amiga Dina não está presente para fazer o anúncio, quase declaração de amor público.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Tchalê.jpg

Era uma vez um m’nine-andêje e traquinas que se fez homem e marinheiro na terra-longe, nas sete partidas do mundo, e voltou para se fixar na sua ilha do Porto Grande – viver na Praia é apenas uma variável dependente e contingencial determinada por um amor de bidjiça. Mas a culpa não morreu solteira!

 

Esse m’nine-ôme faz de conta e relata as estórias vividas, presenciadas e ou que lhe foram sendo contadas e consegue deixar-nos suspensos entre a realidade e a imaginação, entre a verdade e a ficção, separadas por uma linha muito ténue da fantasia.

 

Quando m’nine na escola-de-rei ficou com a minha professora da 1.ª e 2.ª classe, a Menina Lourdes Matos Serradas, e éramos rivais no futebol. Ele, um fominha de bola e ferrenho adepto do Clube Sportivo Mindelense, mais por causa do Pai, o Ti Djô Figueira, seu eterno Presidente, e eu, do Grémio Sportivo Castilho, uma opção natural para quem era da Chã de Cemitério, onde ficava a sede do clube. Aos dezassete/dezoito anos, o destino passou-nos calaca e deu-nos rumos diferentes. Andêje, ele foi correr mundo e eu, lofa, optei por criar o mundo na imaginação dos livros e da espiritualidade.

 

O Sol girou óne-de-riba-d’óne à volta da terra e, um dia, voltamos a encontrar-nos na nossa cidade do Mindelo.

 

E é este homem que me dá a honra de ser nha bróda – Tchalê Figueira, m’nine-andêje de ponta-de-praia, artista e ôme-de-stórias.

 

Moro nesta ilha há mais de cinquenta anos & outros contos é um livrin bunzin i bnitin com treze contos curtos que me suscitam breves anotações, procurando seguir a classificação proposta por Érica Antunes no seu prefácio e a ver se identifico as personagens nas pessoas da nossa m’ninênça:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • joão

    Amigo de Mindelo, sabe "o que é ser inventor"? Enc...

  • Sandro

    Amei esse "BAÚ" só tem preciosidade! 

  • Gilson

    Musicas muito bonitas, acho muito legal musicas ap...

Powered by