Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

 
Pelo 60.º Aniversário de Renato Cardoso
 
 
 

Renato Cardoso.jpeg

 

 
Título: A Morna-Balada. O Legado de Renato Cardoso
Autor: Manuel Brito-Semedo
Ano de Edição: 2008 (1.ª Edição, 1999)
Editora: Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro 
 
 

TANHA

 

Tanha, N tem f ê d’inkontrób

Na pont final d’nos sodade

Amor y rize ta transá

Na fatura de nha regrese

Pa bo, pa mnis, pa tera inter

 

Pamode na dzenhe di ftur d’ilha

N tem un knhal pa mandá

N ta li k’un nova ideia

Baziu foi onte k’obrigá-m imigrá

 

Sem iluzão, nasidade e so

Ventu di há falta pintchá-m aza di nh’avião

Bo fká ma mnis pa tras

Na selada sek dsês sodade

Sufriment y speransa, Tanha.

 

Aventura e mintira

Tera longe e kansera

N ta li ma n’ e mi – El n’e meu.

Bloke a bloke pa un andar

N ta fazé strada di na regrese.

 

N ta li, k’un nova ideia,

Di pasajen trás dun X

Ki tera ingrót ka sub da-m, Tanha.

 

Gravado pelo Conjunto Bulimundo, 1983

  

 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De Valdemar Pereira a 01.12.2011 às 16:14

Quando ouvia de um português "Oh Manel, quem é a tua Maria?", pensava logo "Ô Bia quêm ê bo boyce". Agora, ouvindo esta belíssima música, que me era desconhecida, encontro uma alternativa "Ô Tanha que ê bô Djosa?" E' a mesma coisa já que estes dois nominhos são - parece-me - os mais correntes na nossa terra. Mas... pessoalmente, continuo com a Bia que foi criada de dia e passou a ser criada de serventia.
Zat-e-qual, même chose, n'ê devera?

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by