Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

 

PARQUE DOS POETAS#OEIRAS.JPG

 Jorge Barbosa, Parque dos Poetas, Oeiras, Portugal. Escultura Leão Lopes, 2015

 

 

 

Jaime de Figueiredo – texto impresso na cinta da edição de Arquipélago de Jorge Barbosa, edição Claridade, 1935

 

 

Capa Arquipélago.jpg

“Um ritmo vital próprio, perfeitamente nuançado, aflora hoje no complexo sentir humano: a psique atlântica.


O infinito azul que nos rodeia, a distância que nos envolve e beija, sublimaram de Sonho a longa simbiose dos sangues…


E fluindo sempre para o diferenciado, rasga-nos a vida novo ciclo.


Esse processus – consciencializando-se – determinará valores virgens, um inédito clima emocional, o nosso verdadeiro caminho para a integração viva na alma do mundo.”

 

 

De referir que Jaime de Figueiredo é o autor da capa do Arquipélago.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De Djack a 24.04.2016 às 06:24

Como se diz ali em cima, o livro é de Dezembro do ano de 1935 e parece que quer sair desse limite temporal, tal como a palavra "arquipélago" aparenta esgueirar-se da capa. E nela, as dez ilhas, "Ilhas perdidas, / esquecidas num canto do mundo... / Destroços de um naufrágio!..." e o palhabote que as une. Book minúsculo, de apenas oito poemas, mas grande no corte que faz com a poética anterior. Já, um verdadeiro livro cabo-verdiano.  


Quanto ao Jaime de Figueiredo (o tal que não gostava do nome "Claridade" e preferia "Atlântida", que produz o texto da cinta, a retribuição é feita no poema "Ilhas", magnífico fresco alusivo ao arquipélago, um dos melhores que já li sobre as ilhas.


Braça,
Djack

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

Powered by