Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ramêde d’terra

Brito-Semedo, 1 Set 16

  

Ramedes de terra.jpg

 

 

Em Memória de Nh´Antone Julin, “doutor de ossos” de São Nicolau

 

 

 

Comemorou-se ontem, 31 de Agosto, o Dia da Medicina Tradicional Africana.

 

 

Em Cabo Verde, a medicina popular ou tradicional existiu desde sempre como uma alternativa, algumas vezes até como complemento à medicina científica, por ser simples, acessível, rápida e barata para responder às necessidades das comunidades das ilhas, sobretudo as mais frágeis economicamente.

 

Sou Antropólogo, com especialidade em etnologia, com trabalhos desenvolvidos no âmbito da etnohistória de Cabo Verde. Não sendo, portanto, da área da etnomedicina, voltada para a conservação e a recuperação da saúde, nem da área da etnobotânica, que lida com a utilização de plantas medicinais, com práticas que têm sido transmitidas oralmente ao longo dos séculos, trarei algumas notas, mais em jeito de evocação que de reflexão, sobre alguns aspectos da medicina popular e familiar, praticada pelos membros das nossas comunidades, enquanto manifestação cultural.

 

A minha infância e adolescência, anos 50 e 60, foram repartidas entre Mindelo e Praia, que é como quem diz, entre “mótes de chá” da Mãi Liza, e “ramédis di téra” da Nhanhã, as mezinhas caseiras usadas na altura para curar as maleitas da miudagem.

 IMG_5157.JPG

 

O conceito por mim aqui usado para definir “mótes de chá” (Mindelo) compreende palhas de chá, as mais diversas, xaropes, plantas, produtos animais, óleos e unguentos, idos de Santo Antão e vendidos no Pelourinho de Verdura / Mercado Municipal. Da mesma forma, o conceito de “ramédis di téra” (Praia), refere-se a folhas de chá, xaropes, plantas, produtos animais e óleos, trazidos do interior da ilha, e também minerais, estes, vindos do vulcão do Fogo (‘scontra, enxofre e pedra-ume), vendidos numa secção própria do Mercado Municipal, com a réplica no Mercado de Santa Catarina e do Tarrafal.

 

O tabaco ou o rapé era usado para curar e ajudar a cicatrizar o umbigo; os “mótes de chá” ou “fódjas di chá” para as cólicas abdominais dos bebés, as febres, as dores de estômago e intestinais; as pílulas da babosa como laxante para ajudarem a “obrar”; o óleo de fígado de bacalhau para eliminar os parasitas intestinais; as teias de aranha e as folhas da “bombardera” (planta da sumaúma) para cobrirem as ”fridas d‘ canela”; o “leite de bombardera” para curar as entorses provocadas pelo jogo da bola; o grogue queimado com açúcar para os resfriados e a rouquidão; os xaropes de cenoura, de agrião e de cebola para a tosse; o sabão de terra (óleo da purgueira) para a sarna e demais problemas da pele; por aí fora, com grande eficácia, diga-se.

 

Já na minha adolescência e juventude, anos 60 e 70, conheci em S. Vicente o Nhô Djack de Cinema, homem de São Nicolau com cerca de dois metros de altura, um “endireita” que, com delicadeza e depois de desinfectar as mãos com 10$00 de grogue, fazia maravilhas para levar os ossos deslocados ao lugar. Falava-se então do Nh´Antone Julin, em São Nicolau, um verdadeiro “doutor de ossos”, que também conhecia as propriedades da areia quente da praia do Tarrafal e dos banhos de folhas de plantas para a cura do reumatismo.

 

Abro parêntese para informar que ainda hoje, São Nicolau tem o seu “endireita”, Carlos Brito, de 56 anos, natural da Ribeira Brava, conhecido por Carlos d’ Antone Silos, que, nos inícios de oitenta, emigrante na Holanda, curou o Rei da Bélgica dos seus problemas na região lombar. Sujeito a complicações em caso de uma intervenção cirúrgica, o médico cabo-verdiano a residir na Bélgica, Dr. Yuk (Adrião Monteiro), especialista em Cirurgia Ortopédica, recomendou ao Rei esse seu patrício que uma vez o tinha tratado de uma fratura num braço. Dito e feito. Fecho parêntese.

 

Havia também o “grogue de drago” ou o “grogue de sangue-de-drago” (seiva de dragoeiro) usado como fortificante e para dores de corpo, gripe e febre. Falava-se à boca pequena de homens mais velhos que arranjavam raparigas novas e que tomavam regularmente o seu calicezinho de grogue de percebes ou de “bargadjo” (pixin-de-targura), de efeitos afrodisíacos, dizia-se.

 

Reconheço que a medicina popular ou tradicional é um assunto muito mais complexo do que aqui está a ser dito, que há uma enorme variedade de métodos utilizados para o tratamento de doenças e que estes métodos são baseados no conhecimento compartilhado ao longo de muitas gerações, ocasionalmente enriquecido pela experiência pessoal.

 

Embora seja hoje relativamente fácil o acesso às estruturas básicas de saúde em Cabo Verde, é preciso haver investigação na área da medicina tradicional que dê conta e nos mostre em que medida essas práticas constituem alternativa à medicina convencional.

 

No que respeita às plantas medicinais, de que existem já alguns trabalhos etnográficos, o Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário (INIDA), reconhece que é “urgente um estudo científico com a finalidade de justificar o seu uso em bases correctas, e generalizar o conhecimento de algumas espécies endémicas medicinais num total de vinte e quatro espécies, existentes em Cabo Verde”.

 

Losna, coroa-de-rei, língua-de-vaca, erva-cidreira, alecrim, agrião-de-rocha e cravo-bravo são algumas dessas plantas utilizadas na medicina tradicional.

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

1 comentário

De Valdemar Pereira a 04.09.2016 às 19:10

O meu Amigo, Prof. Brito Semedo, ou melhor Manel de Xanda, disserta sobre os "ramêde de terra" e vem-me à mente Nha Lorença, uma senhora mais velha que Nha Liza, que passava regularmente pelas casas da Chã do Cemitério (1944, etc.) propondo "chá d'mote", ervas que tinham lugar cativo ao lado "inxunda d'galinha" e "azête d'pulga".
Falou-se aqui de Nhô Djack d'Cinema. Esse; um gigante com mãos de anjo, era o mestre-endireita que, entre muitas outras pessoas, livrou a minha mãe de uma operação cirúrgica por uma "espinhalinha caide". Mas vou citar o primeiro endireita que conheci e de que me lembro embora fosse criancinha: - Nh'Ontone Baluca, que residia frente ao Cruzeiro da Rua do Coco. Disseram-me que esse velhinho endireitou-me por duas vezes a coxa direita mas, a ideia que me ficou foi de me ter curado uma "impija" tenaz. Ainda me pergunto-me como não tive  complicações pois o remédio utilizado era o pó retirada das pilhas que hoje são cuidadosamente recolhidas.
Bolas !!! 

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Wilson Candeias

    Caro Professor Brito SemedoCabo Verde precisa de p...

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

Powered by