Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Guilherme da Cunha Dantas, In Memoriam

Brito-Semedo, 24 Mar 16

 

Poesias Dantas.jpg

Memórias.jpg

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Assinala-se hoje, dia 24, os 128 anos da morte de Guilherme Dantas (Brava, 25.Junho.1849 – 24.Março.1888), aquele que foi um dos fundadores da ficção cabo-verdiana, com Contos Singelos, editado em Mafra, Portugal, em 1867, quando tinha apenas dezoito anos de idade, e do primeiro jornal de Cabo Verde, "Independente" (Praia, 1877-1889).

 

Em jeito de homenagem, o Esquina do Tempo reproduz um texto de José Augusto Martins, a ele dedicado, publicado em 1891, no livro Madeira, Cabo Verde e Guiné (Lisboa).

 

 

madeiracaboverde.jpg

"[...] Guilherme Dantas foi um desses exemplares raros nas sociedades de África: o talento mais original, mais excêntrico e menos capaz talvez de ser compreendido pelo meio em que viveu.

 

Sem uma educação regulamentada e sem se subordinar a preceito algum de escola, o seu engenho, escapando a todos os ditames e a todas as fórmulas, revelou-se sempre sob uma aparência inédita exclusiva e independente, até à irreverência, mas minucioso e amplo, como que poetizado pelas tristezas e pelos suplícios da sua existência acabrunhada.

 

O seu estilo mostra-se extraordinariamente dúctil e por assim dizer cansado, nessa ânsia desesperada de reduzir à língua gráfica de um esboço, as formas vagas do sentimento, das alucinações e das nevroses, que agitavam o seu coração de poeta.

 

Nos seus artigos, há como que o fervilhar de ironias candentes.

 

Nos seus versos revelam-se, a par da sensibilidade nostálgica de vencido, as irradiações fulgurantes de um talento genial.

 

Guilherme Dantas empunhando a lira, é comparável pela simplicidade e pela singeleza aos melhores poetas. Na prosa porém, apresenta-se ora lúgubre e compenetrado como no seu delicioso conto sobre a Brava, ora estapafúrdio, violento e intemerato, como nesses imorredouros artigos com que fulminou outrora tantos preconceitos, tantos ridículos e tantas ostentações, nas colunas do Independente.

 

Há versos dele, cheios de uma suavidade de idílio e de uma ternura de mulher; outros há exsudam uma tristeza verdadeiramente comovente; todos, sem distinção, são impregnados dessa espécie de melancolia que se não define e que parece envolver a vida dos que pressentem uma morte próxima.

 

Morreu aos 40 anos, ou para melhor dizer, suicidou-se lenta e premeditadamente fazendo-se embeber de veia em veia, de artéria em artéria até ao coração, pelo álcool, esse veneno tornado bálsamo pela cedência dos sofrimentos e pelas torturas do seu viver. E assim, quando se sentiu exânime e perdido de vigor, deixou-se resvalar para o túmulo, bebendo com o último alento o derradeiro trago... morrendo como vivera, inebriado pelo álcool e vitimado pelo desespero. [...]"

 

- José Augusto Martins

in Madeira, Cabo Verde e Guiné (Lisboa, 1891)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Wilson Candeias

    Caro Professor Brito SemedoCabo Verde precisa de p...

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

Powered by