Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Matilde, 75 anos do seu naufrágio

Brito-Semedo, 16 Mar 18

 

Miradouro Cruz Grande - Brava.jpg

 Miradouro Cruz Grande, Ilha Brava

 

  

Em memória de Nhô Henrique de Lola, Capitão do veleiro Matilde

 

 

No dia 27 de Agosto de 1943 o navio Matilde, capitaneado por Nhô Henrique de Lola, de Lém, saiu do Porto da Fajã d'Água, na ilha Brava, para a América aonde nunca chegou.

 

Matilde, construído em São Vicente, pertenceu à Casa Carvalho, que lhe deu o nome, passou para Manito Bento, abastado comerciante da Praia, e posteriormente foi adquirido por Daniel e Abel do Sr. Ramos, grande comerciante de Cova Rodela, Brava. Quando desta última transação o barco achava-se com a proa avariada devido a um embate.

 

Viage di Distino

 

IMG_20180304_153127.jpg

 

Matilde, Viage di Distino, é uma publicação bilingue (escrito em cabo-verdiano e em português) editado no Rio de Janeiro, Brasil, em 1991, por Artur Vieira (Brava, 1932 –).

 

O autor é um escritor da diáspora, membro efectivo da Academia Internacional de Letras, ocupando a cadeira n.º 47, patronímica Eugénio Tavares – a viver no Rio de Janeiro. Baseado em depoimentos, Artur Vieira procura reconstituir a tragédia do naufrágio do veleiro Matilde, que se assinala agora os 75 anos, e fixa para a posteridade uma página triste da história trágico-marítima das ilhas.

 

Devido à guerra na Europa, os Estados Unidos conclamaram a todos os seus cidadãos no exterior a regressarem. Na ocasião, a Ilha Brava estava apinhada de homens naturalizados norte-americanos. Sem possibilidade de viajar por causa do conflito e falta de barco, muitos viram no Matilde a grande chance de sair da ilha e estavam dispostos a pagar o que fosse necessário para isso.

 

O bilhete de passagem custava 200 dólares mas quem não pudesse pagar apresentava um fiador que assinava um termo de responsabilidade podendo a dívida ser paga nos Estados Unidos.

 

No dia aprazado saiu o veleiro. Ia bastante carregado levando colchões, vasilhames com água e mantimentos, lenha, pilão, moinho, cabras e um novilho e, entre tripulantes e passageiros, cinquenta a sessenta homens, incluindo os próprios proprietários do navio. Pode-se considerar que a quantidade de carga e o número de homens a bordo era exagerado, mesmo para uma viagem dentro das ilhas.

 

Filho do Capitão, único “sobrevivente”

 

Nhô Henriquinho Rosa.jpg

 Nhô Henriquinho, 85 anos. Foto gentileza de familiares e amigos da Brava

 

Henrique Rosa, hoje homem de 85 anos, conta que, desde a véspera da partida se encontrava a bordo varrendo quando viu no porão uma moeda de dez tostões. As apanhá-la, verificou com espanto que do fundo emergiam diminutas bolhas de água. Sentiu medo e pediu ao guarda que o levasse à terra para comprar goiaba.

 

Tanto insistiu que o homem o levou a terra recomendando-lhe pouca demora, o que não aconteceu, tendo ficado a brincar com outros meninos e a vaguear nos canaviais até anoitecer. Refugiou-se num pardieiro e, escondido entre feixes de palha, pôde seguir o embarque dos tripulantes.

 

No dia seguinte, depois do navio já ter seguido viagem, Henriquinho regressou a casa. A mãe zangou-se com ele por ter rejeitado o “caminho d’ América”, mas justificou-se contando sobre as infiltrações que presenciara no navio.

 

“Depois que Matilde sumiu entre pesadas nuvens, as procelas iniciam uma grotesca dança nas costas da Ilha. O temido ‘inverno’ do Ciclo das Águas chega demasiadamente cedo e implacável. Para piorar, um ciclone devasta o mar e a terra”.

 

Passaram-se vários meses e nenhuma notícia do Matilde. A 2 de Janeiro chegou um telegrama dos Estados Unidos informando que em nenhuma parte havia notícia do veleiro. A nota propagou-se e horas depois a Ilha Brava toda cobriu-se de luto.

 

O caso narrado não é único e Artur Vieira dá como precedentes vários outros navios desaparecidos nos percursos Brava/Estados Unidos/Brava.

 

Saudades dos velhos marinheiros contando histórias de tempos passados, / histórias da baleia que uma vez virou a canoa… / de bebedeiras, de rixas, de mulheres, /nos portos estrangeiros… – Jorge Barbosa, “Poema do Mar”, in Ambiente, 1941

   

 

– Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Manuel Oliveira

    Ainda bem que existe, Brito-Semedo, para nos ir le...

  • Arielle

    Porfavor, o nome do poeta deste poema maravilhoso?

  • Alberto

    A musica de cabo verde é especial.. deveria ser ma...

Powered by