Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

À Sombra do Vulcão do Fogo

Brito-Semedo, 29 Nov 14

 

Vulcão.jpeg

Foto Guenny K. Pires

 

Sentada na encosta da localidade de Portela, Maria Teixeira está muito mais velha do que os seus 42 anos. A lava do vulcão do Fogo, que ferve há vários dias na ilha cabo-verdiana a que lhe dá nome, está a dezenas de metros de Maria Teixeira, agasalhada e com pele enrugada pelo frio e nevoeiro que se sente na zona, a 2.300 metros de altitude. "Aqui não houve ninguém que não perdesse nada. Não sei o que vou fazer da minha vida”, diz, resignada, ao lado de um monte de bens, retirados da sua casa, no centro de uma Portela, ameaçada pelas chamas.

 

A casa, à semelhança de muitas outras, foi esvaziada de tudo, desde janelas, colchões, eletrodomésticos, mesas ou portas. Agora, os pertences de uma vida estão amontoados num monte sobre o solo à espera que os serviços de proteção civil de Cabo Verde os venham retirar. “A minha casa está vazia. Vivia da agricultura e agora vou perder tudo”, desabafa a mãe de quatro filhos que já foram transferidos para casa de familiares.

 

Vulcão.jpeg

Foto Marcos Rocha
 
Desde a semana passada que o vulcão nervoso tem assustado a população e a lava já destruiu dezena e meia de casas.  Na quinta, o cenário agravou-se com novas erupções de magma, criando novas bocas do vulcão. De visita à ilha, o primeiro-ministro, José Maria Neves, admitiu a falta de recursos para lidar com a situação. "Neste momento estamos numa situação de catástrofe”, disse o governante, que se mostrou particularmente preocupado com a situação dos mais frágeis. "Há muitas crianças. Temos de lhes reforçar a dieta alimentar”, exemplificou.

 

Mas Maria Teixeira espera pelo fim deste calvário. “Quero poder voltar um dia e espero que o vulcão acabe rapidamente”. A Portela está hoje fantasmagórica, apenas os esqueletos das casas e a quase totalidade dos seus habitantes já saiu para outros sítios mais seguros da ilha.

 

Por todo o arquipélago há uma onda de solidariedade. A lava que descia em direção à Portela parece ter mudado de direção, o que acalmou muitos dos desalojados mas obriga as autoridades a alterarem permanente os planos de atuação. Agora, a zona central da ilha cobre-se de um manto de magma que escorre pelas encostas a um ritmo lento mas imparável e com rumo imprevisível. As autoridades apenas podem retirar as pessoas e os bens que estiverem no caminho da lava.

 

“Vamos ter de monitorizar cientificamente o vulcão para estabelecer cenários numa base diária”, afirmou o primeiro-ministro. Hélio Semedo, do Serviço Nacional de Proteção Civil (SNPC) de Cabo Verde, confirma que as várias bocas do vulcão ficaram unidas numa única cratera, aumentando a quantidade de lava que escorre do monte.

 

Vulcão.jpeg

Foto Marcos Rocha

 

A maior parte da ajuda está a ser coordenada por um grupo autodenominado "Amigos do Fogo", que constituiu uma comissão de trabalho, abriu contas bancárias e contactou a diáspora. João Miguel Alves, um dos elementos da comissão, diz que o primeiro sinal de apoio vem da Holanda, um dos países onde existem mais emigrantes cabo-verdianos, estando prevista a chegada de um contentor já no início da próxima semana.

 

Em Chã das Caldeiras, a maior cooperativa vinícola da ilha esteve em risco de ser destruída. David Gomes Monteiro, diretor da instituição, mostra-se agora mais confiante porque a lava está a seguir por outros caminhos. “O susto passou. Depois dos primeiros três dias, estávamos muito aflitos, mas hoje a coisa acalmou”, diz. As autoridades também abriram uma nova estrada e agora a cooperativa até pondera repor o equipamento industrial que havia retirado do local, como medida de segurança. “Vamos manter aqui parte da produção de 2013 e toda a produção de 2014. Já regressou tudo à normalidade e pensamos manter para já as coisas”, explica.

  

Por isso, há quem esteja otimista e queira já regressar antes de outros terem partido da Portela. É o caso de Manu Teixeira, 24 anos, que insiste em manter-se na terra onde vive há 18 anos e porque acredita que já conhece o vulcão. “A lava já está a parar e agora queremos continuar na nossa casa. Já não a vamos abandonar e vamos ficar aqui”, afirma, enquanto carrega os seus bens, que estavam em São Filipe, principal cidade da ilha do Fogo. “Se acontecer outra vez apanhamos novamente as nossas coisas e colocamo-las aqui”, diz. Mas agora, “não tenho medo e não vai acontecer mais erupções”, diz o jovem confiante, sob a sombra do monte do vulcão. “Já sabemos o que é isto”.

  

- José Sousa Dias, Delegado da Lusa

 

Fogo, 29 de Novembro de 2014

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

Powered by