Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

livro do humberto.jpg

 

 

“[…] O Partido Único em Cabo Verde – Um Assalto à Esperança, de Humberto Cardoso, continua a ser uma obra de estudo imprescindível para todos – nomeadamente académicos, estudantes, historiadores, políticos, cientistas políticos, cidadãos – que se interessam a sério pela História política recente de Cabo Verde.


Nele, Humberto Cardoso, com recurso a fontes imediatas concretizadas em documentação e intervenções dos seus próprios protagonistas e de modo a um tempo profundo e acessível, descreve e analisa o regime de partido único que dominou e determinou os primeiros quinze anos de Cabo Verde como país independente.


Fá-lo, trazendo à superfície e à fácil compreensão do leitor os mecanismos através dos quais o regime se impôs, se infiltrou e se impregnou na sociedade, na cultura e na mentalidade dos cabo-verdianos, realizando a sua vocação totalitária.”

 

O livro foi hoje apresentado ao fim da tarde e a Esquina do Tempo publica em primeira mão o texto lido pelo seu autor, Humberto Cardoso, na ocasião.

 _MG_2892.jpg

 

 

A memória do passado é fundamental para se compreender o presente e visionar o futuro. O livro O Partido Único em Cabo Verde – Um Assalto à Esperança ora apresentado procura contribuir para a preservação dessa memória. O livro foi escrito em 1992 e publicado na sua primeira edição, edição do autor, em Março 1993. A reedição pela editora Pedro Cardoso Livraria quase vinte e três anos depois deve-se exclusivamente ao empenho dos doutores Mário Silva e João Spencer a quem manifesto mais uma vez os meus agradecimentos.

 

Penso que o meu livro ainda continua actual apesar de todos estes anos por duas razões principais: a primeira por que através de documentos designadamente livros, jornais, revistas, BOs e outras publicações devidamente datadas e contextualizadas procurou reproduzir o que então partido-estado e os seus dirigentes queriam fazer de Cabo Verde, as dificuldades que encontraram e as consequências da sua visão. Só foram citados documentos que podem ser acessíveis a qualquer pessoa para verificação.

 

A narrativa dos quinze anos procura ser o mais compreensivo e abrangente na sua abordagem revelando o impacto das políticas e medidas do regime em todos os aspectos da vida do cabo-verdiano seja político, económico, social e cultural. É a minha convicção que o essencial do está aí foi posteriormente validado. Notam-se ainda as marcas do regime nas instituições, na cultura política prevalecente, no baixo nível de capital social e de civismo. Justificam a crispação política existente, as dificuldades em adoptar a atitude certa para enfrentar e desenvolver no mundo de hoje, a crise de identidade e o conformismo do qual só se liberta pontualmente com chamamentos demagógicos e populistas para logo de seguida cair-se na frustração. Explicam por que foram efectivos as operações de resgate do passado, o branqueamento dos dirigentes do regime e o divisionismo no país criado por políticas identitárias comandadas pelo estado a partir do seu aparelho ideológico em todo o sistema de ensino, na comunicação social e na propaganda que através dos seus agentes produz e distribui.

 

_MG_2922.jpg

_MG_2926.jpg 

 

Uma segunda razão por que penso que o livro tem utilidade é que apesar dos vinte e cinco anos passados após a queda do regime do PAIGC/PAICV não se vêem muitos estudos sobre o que foram os anos de partido único. Os que existem preferem centrar-se sobre o momento da independência e a aura heróica que normalmente a acompanha e também o momento da abertura política de 1990 e a suposta generosidade e/ou sabedoria que os dirigentes repentinamente demonstraram. Para além disso tendem a suportar-se em boa parte nas interpretações que hoje os antigos dirigentes fazem dos seus actos passados e não o que disseram e fizeram quando exerciam o poder. Omisso fica realmente tudo o que se passou entre estes dois momentos e as reais motivações por detrás das políticas do regime. É essa omissão que também é um mutismo e uma amnésia cultivada que o meu livro procura suprir.

 

A questão da memória colectiva e memória história é de suma importância para qualquer sociedade. Como já celebremente tinha dito George SANTYANA quem não conhece a s sua história fica condenado a cometer os mesmos erros. São sempre graves as consequências de manipulação da memória colectiva de um povo mas é o que se faz em cabo verde desde que uma força política, o PAIGC,  surgiu nestas ilhas a reivindicar que nações são forjadas na luta pela independência e que o seu dirigente máximo é fundador da nacionalidade. Para se impor tinha que fazer esquecer que a experiência humana nestas ilhas de cabo verde tem mais cinco séculos de existência e que a a identidade cabo-verdiano que emergiu ao longo dos séculos dentro do império português já era conhecida muito antes da independência nacional. Em substituição dessas memórias outras, por exemplo de luta libertação, que as pessoas não têm experiência directa deviam ser implantadas e outras identidades impostas. Desestruturar a memória torna-se num objectivo claro de política. Forçam-se as pessoas a acreditar que verdade ou facto é o que é conveniente dizer ou aceitar. Na luta interminável que assim começa não há naturalmente liberdade intelectual que permita preencher os vazios, incoerências e fantasias na memória colectiva. Compreende-se assim o deserto da literatura sobre o regime de partido único. Contribuir para restauração completa e total da memória do povo cabo é que me motivou a escrever este livro. Enche-me de alegria vê-lo reeditado.

 

Obrigado a todos pela vossa presença.

 

- Humberto Cardoso (Texto)

Rendy Santos, Jornal "Expresso das Ilhas" (Fotos)

 

_________

O Partido Único em Cabo Verde 

Um assalto à esperança

Humberto Cardoso

Edição/reimpressão: 2015

Páginas: 272

Editor: Livraria Pedro Cardoso

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Ariel

    Muito bom o livro! 

  • Anónimo

    Muito obrigada por nos presentear com estas inform...

  • Léo

    Olá, realmente esse ritmo é contagiante, fico me i...

Powered by