Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Os Sokols de Cabo Verde

Brito-Semedo, 20 Ago 16

  

Sokols 1.jpeg

 O Governador passando revista aos Sokols (pelotão de oficiais). Foto Manuel N. Ramos, 1933

 

 

Em Homenagem a Júlio Bento de Oliveira, Comandante dos Sokols

 

 

Bento Oliveira.jpeg

Em 1932, Júlio Bento de Oliveira (Santo Antão, 29.Dezembro.1905 – 30.Abril.1984), um funcionário da Western Telegraph Company, fundou em São Vicente uma organização de massa juvenil inspirado no movimento checo surgido em 1862, com o nome de os “Sokols de Cabo Verde”.

 

Os Sokols, para além da cultura física, procuravam inculcar nos seus membros os valores cívicos e democráticos que também regiam a sua congénere da Checoslováquia, tendo deixado profundas marcas no seio dos jovens mindelenses.

 

O nome da associação foi posteriormente mudado, com a tradução da palavra sokol, para “Falcões de Cabo Verde” e os seus Estatutos publicados no Boletim Oficial, N.º 52, de 29 de Dezembro de 1934.

Razões internas e externas serviram de pretexto para o Estado Novo ditar o seu fim:

 

– em 1934, durante a “Revolta de Nhô Ambrose”, a associação tinha ajudado a acalmar o povo, tendo demonstrado simpatia pela sua causa;

 

– em 1937, os “Sokols de Cabo Verde” manifestaram o seu repúdio pela decisão governamental de extinguir o liceu;

   

Sokols.jpeg

 Grupo de Cadetes dos Sokols. Demonstração de ginástica. Foto Progresso, Mindelo, 1936

 

– em 1938, a culminar, a Checoslováquia foi invadida pelo exército nazi e deixou de existir como país independente.

 

A 17 de Fevereiro de 1939, a associação dos “Falcões de Cabo Verde” foi extinta pelo Decreto N.º 29.453 e imposta no seu lugar a “Mocidade Portuguesa”, convertendo-se aquela na sua Ala N.º 2 “Afonso de Albuquerque”.

 

Henrique Teixeira de Sousa (Fogo, 1919 – 2006), um antigo membro dos sokols quando estudante liceal em São Vicente, faz a recuperação da história dessa organização no seu romance Capitão-de-Mar-e-Terra (1984), das origens ao seu desaparecimento, passando pelas suas actividades e manifestações cívicas.

 

Sokols.jpg

Origens

 

“Joel Sokol falava com fluência, com ar de chefe, e respeitando a gramática. Estudou no Seminário-Liceu de São Nicolau […] era também profundamente católico, nada tendo portanto a ver com a juventude hitleriana a organização que fundara em Cabo Verde, por inspiração, sim, dos Sokols de Praga. O que havia era um pouco de inveja por parte daqueles que, sendo pessoas importantes, nunca conseguiram, nem conseguiriam, empolgar a juventude mindelense como ele, Joel, conseguiu. […]. Desde que Joel inventou os Sokols, não mais os botequins e a Praça Nova viram um mancebo nos dias úteis da semana a gastar o seu tempo em grogues ou conversa de asneiras”, p. 129.

 

Comandante dos Sokols

 

“Noite avançada, no momento em que se dançava uma valsa, entrou o comandante dos Sokols. Chegou muito tarde, talvez porque estivesse de serviço no Telegraph. Surgiu reluzente no seu dólman branco cravado de estrelas. Por sobre a pala de boné pousava um falcão de asas abertas. […]. A juventude perfilou-se em saudação ao Sr. Jjoel. Feitas as continências, soou com vigor o grito de guerra: “Drei zdrau, zdrau, zdrau”. Imediatamente lhe meteram uma dama entre os braços e ordenaram à orquestra que reencetasse a peça. O Sr. Joel conseguiu deveras abrir as pálpebras das acompanhantes na valsa em que rodopiavam as estrelas, o talabarte e o cinturão, o falcão de bico adunco e asas desfraldadas, rodopio delicado, emparceiramento folgado, discreto, não a colagem indecente dos pares de agora”, pp. 103-104.

 

Desfile e roteiro

 

“Quando os sokols saíam à rua todo o mundo era sacudido por um sismo interior. Mancos e aleijados, sabidos e néscios, gatos e cães, viravam possessos, com vibrações que ainda mais acirravam a marcialidade jeolina. O roteiro era sempre o mesmo. Partiam da Salina rumo à Rua do Coco. Daqui subiam até ao liceu, virando à esquerda na direção do Palácio do Governo. Desciam a Rua de Lisboa, curvavam à direita, entrando na Rua Infante D. Henrique. Os ingleses da Western Telegraph vinhas bisbilhotar enquanto os alvos dólmanes se distanciavam para os lados da Praça Nova, que contornavam, metendo-se em seguida na Rua de Camões. Desta rua torciam para a Rua Machado, em marcha cadenciada, até ao Sr. António Sapateiro, passando pelas traseiras da Câmara Municipal, a caminho da Rua da Moeda. O caudaloso rio vinha finalmente desaguar no ponto de partida, ou seja, no Largo da Salina”, p. 149.

 

Passagem de testemunho

  

SOKOLS.jpg“ – Ora, Sr. Comandante, aqui o Sr. Administrador já me relatou pormenorizadamente as actividades desta associação. De resto, em Lisboa, isto é, na Mocidade Portuguesa, não ignoramos a vossa existência. Estou incumbido de uma importante missão, missão que consiste em fazer os primeiros contactos com as entidades responsáveis directas da educação dos jovens em todas as colónias, com o objectivo de estendermos a Mocidade Portuguesa até estas terras. Ora, aqui em Cabo Verde, vocês já têm um embrião, que é isto, parece que com filiais ou sucursais em outras ilhas, segundo me informou o Sr. Administrador. Há um começo, um começo, aliás, muito auspicioso, muito prometedor, pelo quevejo. Para encurtar razões, que acha o Sr. Comandante à ideia de transformarmos isto em Mocidade Portuguesa?

 

[…] Como que por milagre ou por dignidade do cargo, Joel empertigou-se frente ao major e falou:

 

– Nada temos contra a Mocidade Portuguesa. De resto, é uma instituição também benéfica para a juventude. Só que nós aqui nos Falcões não estamos interessados em ser outra coisa que não seja só falcões”, p. 351-352.

 

Em Setembro de 2015, numa iniciativa da Embaixada da República Checa em Lisboa, foi colocado na Praça Estrela, antigo Largo da Salina, uma placa comemorativa em homenagem aos Sokols ou Falcões de Cabo Verde (1932-1939).

 

Manuel Brito-Semedo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

6 comentários

De Djack a 20.08.2016 às 10:40

Mais um bom texto do "Esquina", mais uma memória de uma organização notável que nunca deveria ter acabado. E tal como no Praia de Bote, não se percebe como é que não há mais comentários num blogue desta qualidade. Porque não escrevem aqui os são-vicentinos e os outros cabo-verdianos? Porquê, raios?  Não se percebe MESMO...


Braça com mistér...
Djack

De Joaquim ALMEIDA a 22.08.2016 às 09:06

Porque nao escrevem aqui , ( os sao-vicentinos e outros caboverdianos ) ? Boa pergunta meu amigo e ( nha nôme ) , Djcak !..Tens razao é uma tristeza ver o comportamento dos caboverdianos paticularmente os sao-vicentinos esquecerem-se de falar do passado das coisas que foram feitas no pais , da sua ilha , sim porque se fez algo que merece ser relembrado quanto mais nao seja para que esta nova geraçao saiba que existe ainda vestigios do que foi feito em prol da cultura da nossa terra !.;Para te dizer Djack , conheci este homem mesmo de perto , porque tive a ocasiao de trabalhar com êle ; Sr. Jùlio Bento de Oliveira , naltura sendo êle o Presidente da Câmara Municipal de Sao Vicente , em que a central electrica jà naquela altura sob a responsabilidade da Câmara , o Sr. Jùlio de Oliveira ia sempre à central electrica , onde trabalhei durante alguns meses como serralheiro mecânico , profissao que eu exercia naquele tempo !.Devo confirmar que , aquele senhor fez muito para a ilha de Sao Vicente . Falar do "Sokols " , lembro-me perfeitamente das exibiçoes no campo de futebol , da fontinha , que nao era ainda " estadio Adérito Sena " , e também da praia dos falcoes , naltura mais conhecida por " step " onde se encontra os estaleiros navais , ai os falcoes iam tomar banho , pequena praia mas que tornou-se uma praia " da elite " existe ainda vestigios daquela praia !.;A praia de Matiota hoje conhecida como praia de Laginha , poucos se banhavam ai naquela altura , mas hoje é uma praia bem conhecida  e mesmo no estrangeiro !.; Termino dizendo que jà somos poucos os que se lembram ainda de ( saocente daquele tempo ) que tenha isso na lembrânça e que tenha o privilégio de " mexer " nesta técnologia de ponta , que é o " computador " , e escrever aquilo que êle sabe e viveu a respeito da tradiçao do nosso Cabo Verde e neste caso particular , DO SOKOLS DE CABO VERDE !. Um Criol na Frânça ; Morgadinho !..   

De Djack a 22.08.2016 às 09:27

Um braça também pa bô, medjor trompete d'ilhas de morabeza,
Djack 

De Matchona a 22.08.2016 às 11:29

Machismo literário em Cabo Verde, será que o sr.  consegue escrever o sobre machismo do seu povo? Os homens são alvo de homenagem enquanto que as mulheres são umas pobrezinhas ao cuidado das ONU.  Será que se ele fosse mulher o seu blog seria referência na comunicação social?  As mulheres de Cabo Verde são semi-analfabetas ? Ou Temos uma comunicação social machista. Enquanto tivermos uma comunicação social (fazedores de opinião) machista a nossa sociedade apenas valorizará as mulheres milionárias ou aquelas cujo pai/marido é político. Ou seja uma sociedade injusta e patética.

De Brito-Semedo a 01.09.2016 às 00:51

Caro Amigo Leitor, Respeito a sua opinião, mas aconselho-o a consultar melhor o Esquina do Tempo e ver que as mulher são aqui reconhecidas e homenageadas. Deixo-lhe com dois exemplos, de entre várias: (i) Dona Bibi Lopes - http://brito-semedo.blogs.sapo.cv/?skip=28&tag=figuras+mindelenses e (ii) Dona Inácia Bettencourt - http://brito-semedo.blogs.sapo.cv/?skip=30&tag=figuras+mindelenses
Um abraço

De Amendes a 23.08.2016 às 10:08

Caro Dr Brito Semedo
Toda a História do escotismo (a) em Cabo Verde,  foi descrita por mim   no Blogue Arrozcatum ..
........
.Por curiosidade:


Em 1904, foi fundada a primeira agremiação cabo-verdiana a conceder mais atenção às actividades físicas: o Club Mindelo.


(a) Desde os Boy Scouts até à Mocidade Portuguesa.


Cumprimentos e felicidades


Cumprimentos

Comentar post

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

Powered by