Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Evocando Pedro Cardoso

Brito-Semedo, 5 Ago 14

Cardoso.png

Cardoso.jpeg

Esplanada da Livraria Pedro Cardoso

 

“Ex.mas Senhoras,

Meus Senhores:

 

Anunciei que vinha aqui hoje fazer uma conferência. Não deveis, pois, esperar um discurso. Faltam-me além do mais, os requisitos indispensáveis ao orador.

 

A conferência pertence, é certo, ao género oratório; tem também por objecto o útil e o agradável; destina-se igualmente a persuadir por via da palavra, com a diferença: – o discurso profere-se e a conferência lê-se.

 

A minha não se propõe a resolução de altos problemas a rasgos de retórica; reduz-se às humildes proporções de uma ligeira e despretensiosa palestra”.

 

Cardoso.jpeg

Mário Silva, Presidente da Fundação Direito e Justiça, dona da Livraria, e Brito-Semedo, Conferencista

 

Cardoso.jpeg

Aspecto da assistência no interior da Livraria

 

Foi assim que Pedro Monteiro Cardoso, nosso homenageado e patrono desta livraria abriu a sua conferência em defesa da língua nativa de Cabo Verde, em Dezembro de 1933, na Praia, no Cine-Teatro Virgínia Vitorino.

 

Desaparecido há cerca de 70 anos, Pedro Cardoso, esse grande Homem, pode hoje ser invocado e o seu retrato de intelectual esboçado, ainda que em traços breves, devido à sua escrita – os seus textos jornalísticos (especialmente os publicados no A Voz de Cabo Verde (Praia, 1911-1919) e no O Manduco (Fogo, 1923-1924), as suas conferências (proferidas no Cine-Teatro Virgínia Vitorino) e os seus textos poéticos e ensaísticos (das Primícias, de 1908, a Lírios e Cravos, de 1951, edição póstuma, passando pelo Folclore Caboverdeano (1933). Textos esses que se cruzam e se completam, estabelecendo a ligação entre a objectividade do discurso jornalístico e a subjectividade do discurso literário, dão-nos a visão do seu autor sobre a problemática social e cultural do seu tempo.

 

Pedro Monteiro Cardoso nasceu na ilha do Fogo a 13 de Setembro de 1883 e faleceu na Praia, a 29 de Outubro de 1942, com 59 anos. Foi funcionário aduaneiro e recebedor da Fazenda. No campo da política e do jornalismo assumiu-se como republicano e socialista, melhor dito, comunista. Haja em vista o poema “Unidos Avante” (1913) de exaltação a Marx, dedicado aos operários mindelenses:

 

Operários! diz Marx, o Mestre venerando,                Lutai! que alcançareis a palma da vitória,

que a vossa redenção tem de ser conquistada          mas tendo por reduto a vossa associação!

por vós somente; não brandindo lança ou espada,   Pois, quando o povo diz que a força fá-la a união,

mas unindo-vos e vos associando!...                       alta verdade afirma à plena luz da História.

Ora, escutai-lhe a voz austera de vidente                Contai-vos se podeis... vós sois a Maioria.

e pondo-lhe em efeito o aviso sapiente.                  Então, porque domina a infanda tirania?!

 

Foi defensor do continente negro e da dignificação do homem africano, como se pode constactar dos poemas “Pró África” (1911)

 

......................................................        

Moçambique, mais Angola,                                  Mais justiça e liberdade;

Cabo Verde e São Thomé,                                   e, nos que as veem governar,

á uma imploram a esmola                                   mais sciencia e probidade:

do bem que lhes devido é.                                  eis quanto andam a implorar!...

 

Já não querem portarias                                     Olhae, guardae, portuguezes,

e infames leis draconianas.                                 o patrimonio sagrado,

Desejam menos razzias                                       da fortuna entre os revezes

E que entre a luz nas cabanas.                            pelos avós conservado!

 

e “Ode a África” (1922)

 

Africa minha, das Esphinges berço,                      Sôbre o teu corpo, ó meu leão dormente,

Já foste grande, poderosa e livre;                        Vieram bárbaras nações pousar;

Já sob os golpes do teu gladio ingente                  E, quais harpias truculentas, feras,

Tremeu o Tibre                                                   Nele cevar...

......................................................                                      ......................................................

Sim, foste grande, dominaste o mundo;

Mas hoje jazes sem poder sem nada.

E ao ferreo jugo das potências gemes

Maniatada.

 

A militância de Pedro Cardoso levou-o a adoptar o nome Afro, com o qual assinava as suas crónicas em A Voz de Cabo Verde e baptizar um dos filhos com o nome Afro.

 

Cardoso.jpeg

Aspecto da assistência no interior da Livraria 

 

Textos Jornalísticos

 

Pedro Cardoso publicou acutilantes artigos em vários jornais cabo-verdianos como a Voz de Cabo Verde (Praia, 1911-1919), O Independente (Praia, 1912-1913), Cabo Verde (S. Vicente, 1920-1921), O Manduco (Fogo, 1923-1924), Notícias de Cabo Verde (S. Vicente, 1931-1962), de que foi responsável pela página literária, e A Colónia de Cabo Verde (1940). Colaborou ainda em jornais portugueses como Correio de África (1921-1924) e Mocidade Africana (1930-1932).

 

Em 1923, Monteiro Cardoso fundou na sua ilha natal o jornal O Manduco (Fogo, 1923-1924), de que foi proprietário, director e editor, do qual se viu obrigado a trespassar a “um grupo de comerciantes e proprietários amigos” e a direcção a Eugénio Tavares, “em todos os tempos o maior jornalista da Província”, por incompatibilidade com o seu estatuto de funcionário público.

 

Uma referência especial a “A Manduco…”, Crónicas de Afro, publicadas quinzenalmente no jornal A Voz de Cabo Verde. São 33 crónicas de intervenção cívica e política publicadas em 37 números desse jornal do Nhô Abílio Macedo, entre 21 de Maio de 1911 e 17 de Agosto de 1914, na secção homónima, onde, durante três anos,Pedro Cardoso, aliás, “Afro”, das ilhas de S. Nicolau, Boa Vista e S. Vicente, zurziu e alimentou polémica sobre os mais diversos assuntos, da arborização, da estiagem e da fome, ao analfabetismo e à instrução pública, passando pelas questões do Nativismo, da Raça Negra e da autonomia da província, sempre em defesa dos interesses dos filhos das ilhas.

 

A colaboração de Afro n’A Voz de Cabo Verde surgiu numa altura de profundas mudanças e de efervescência política em Portugal, cujas rivalidades partidárias acabaram por ser transportadas para as Ilhas.

 

Em Cabo Verde, depois de quatro meses e meio (Outubro de 1910 a Março de 1911) do governo de Marinha de Campos, Primeiro-Tenente da Administração Naval, reformado, e figura destacada da revolução de 5 de Outubro, contestado por algum sector da população, particularmente da Igreja Católica, pela sua política radical, dirigia a província, como Governador-Geral, o Capitão-tenente da Armada Júdice Biker (1911-1915).

 

Desde logo houve incompatibilização entre o novo governador e os apoiantes de Marinha de Campos, que é como quem diz, os “fazedores” do jornal A Voz de Cabo Verde, que se viram na necessidade de criar a sua própria gráfica, a Tipografia de A Voz de Cabo Verde, como forma de se autonomizar em relação à Imprensa Nacional, tendo radicalizado o seu discurso contra o governador Biker.

 

Foi assim e nessa altura que A Voz de Cabo Verde pôde contar com o trio mais temível do jornalismo cabo-verdiano: Eugénio Tavares, José Lopes e Pedro Cardoso, que posteriormente viria a transferir-se para O Manduco.

 

Um outro aspecto a assinalar nas crónicas de Afro é a cultura clássica e humanista vastíssima do seu autor, adquirida no Seminário-Liceu (S. Nicolau, 1866-1917), onde Pedro Cardoso cursou a Instrução Secundária do Curso Preparatório.

 

Em O Manduco (Fogo, 1923-1924) Pedro Cardoso amplia o espírito das suas crónicas, continuando a bater a favor das suas convicções, do progresso da sua ilha natal e da província de Cabo Verde.

 

Com uma forte componente literária, publicaram nos 14 números de O Manduco nomes sonantes das letras cabo-verdianas como Pedro Cardoso, Eugénio Tavares, Corsino Lopes, José Calazans, Mário Pinto, José Lopes e João José Nunes, a maior arte deles colaboradores assíduos, e vários nomes ligados à ilha do Fogo.

 

A Voz de Cabo Verde e O Manduco são hoje praticamente inacessíveis. Não existe em Cabo Verde uma única colecção completa. Quem os quiser consultar deve deslocar-se à Biblioteca Nacional de Portugal onde A Voz está em microfilme e em papel na secção dos reservados.

 

Em plena era digital e com uma simples parceria entre a Biblioteca Nacional ou o Arquivo Histórico Nacional nosso e a Biblioteca Nacional de Portugal poderia colmatar esta falha. “Senhores [diria Afro], com certa raça de gente, só a manduco...”

 

Conferências

 

- Em defesa da língua nativa de Cabo Verde, Praia, 30 de Dezembro de 1933, Conferência no “Cine-Teatro Virgínia Vitorino”.

 

- Em exaltação a Camões, a Portugal e à língua portuguesa, 10 de Junho de 1934, Camões perante o Mundo Culto.

 

Pedro Cardoso, como toda a elite intelectual cabo-verdiana de novecentos, primeiras décadas do século vinte, não deixou de manter e exaltar como Pátria sua Portugal, ao mesmo tempo que assumia como Mátria, a África, o Ultramar, Cabo Verde ou, mesmo, a sua ilha ou local de nascimento. Está-se, assim, perante uma noção de pátria (ou pátrias) restrita, a Mátria – local, vila ou terra onde a pessoa nasce – e de uma noção de pátria ampla, a Pátria, dentro da qual aquelas “pátrias” têm a sua existência.

 

Um outro aspecto a assinalar é uma certa duplicidade dos homens dessa época, na decorrência desse seu sentimento pátrio, que se traduz na assunção de uma bivalência linguística, com a valorização do português clássico, por um lado, e a defesa do crioulo, a língua materna, por outro.

 

Textos Poéticos e Ensaísticos

 

Como escritor (poeta e ensaísta), Pedro Cardoso publicou mais de uma dezena de títulos, todos esgotados há muito – Primícias (1908), Caboverdeanas (1915), Jardim das Hespérides (1926), Duas Canções (1927), Hespérides. Fragmentos de um poema perdido em triste e miserando naufrágio (1930), Folclore Caboverdeano (1933), Cadernos Luso-Caboverdianos. 3 volumes: (1) E mi que ê lha’r Fogo, 1941, (2) Ritmos de Morna, 1942 e (3) Sem Tom Nem Som, 1942, e ainda postumamente, Lírios e Cravos (1951).

 

Estes textos, que precisam ser lidos e divulgados para serem conhecidos, merecem uma análise aprofundada pelo que aqui só serão referidos. Quem sabe venham a ser tema de uma nova palestra.

 

Foto: LPC - Livraria Pedro Cardoso. Momento de debate durante a conferência sobre Pedro Cardoso.

Brito-Semedo durante o debate

 

Pedro Cardoso, Hoje

 

A melhor forma de homenagear Pedro Cardoso hoje é fazê-lo conhecido da nova geração. E isso só é possível através da sua obra, com a reedição dos seus escritos jornalísticos e literários.

 

Acalentei em tempos um projecto nesse sentido em que teria como associado o então Presidente do Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro, Joaquim Morais. Pedro Cardoso. Textos Jornalísticos e Literários (Parte I), Praia, 2008, foi a primeira publicação, de que se seguiria o jornal O Manduco (Parte II), em edição fac-similada e, por fim, os seus livros de poesia e ensaio (Parte III e, eventualmente, Parte IV).

 

Não tendo sido possível realizar tal propósito, lanço um repto à Livraria Pedro Cardoso: a reedição da obra do seu patrono, pelo menos, dos seus textos jornalísticos. Para isso, disponibilizo, pronto para publicação, “A Manduco… Crónicas de Afro”. Quanto ao jornal O Manduco, já há o material digitalizado em processo de tratamento para publicação na posse da “Dikor, Publicidade Impressão e Sinalética” e é uma questão de negociação.

 

“Nós vo-lo rogamos instantemente… a manduco”, como diria Afro.

 

Tenho dito.

 

Cardoso.jpeg

 

Texto Manuel Brito-Semedo

 

Fotos Rendy Santos, Jornal Expresso das Ilhas

 

Praia, 5.Agosto.2014

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Wilson Candeias

    Caro Professor Brito SemedoCabo Verde precisa de p...

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

Powered by