Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sónia Lopes – CD 'Nhâs Padás'

Brito-Semedo, 3 Jun 16

 

“Nhâs Padás” [Meus Pedaços], título na variedade de Santiago, é um trabalho musical de Sónia Lopes apresentado hoje na Praia onde ela procura justapor ou juntar os pedaços da sua identidade compósita e fragmentária de artista crioula.

 

2016.png

Ao entrar no espaço sagrado da Música descalço humildemente as minhas sandálias.

 

Antes de prosseguir, sinto-me na obrigação de vos fazer uma revelação para não se sentirem defraudados: não tenho qualquer dote musical, não toco nenhum instrumento, nem mesmo “racordai”, também não canto, a não ser no duche, e a dançar, sou um pé-de-chumbo, o que faz de mim um cabo-verdiano atípico.

 

Não tenho a pretensão, portanto, de vir cá explicar algo que apenas sei sentir e fruir para o meu deleite e satisfação pessoal. Mas também não fui chamado para fazer nada disso, felizmente. O meu “metier” é outro e falar sobre a identidade crioula é algo que me fascina e me encanta, de que a música é apenas um desses aspectos.

 

Posto isso, não sei se me retiro ou se leio as notas de apresentação do CD “Nhâs Padás”, que preparei para esta ocasião. Decidam, se faz favor. Muito obrigado!

 

Sónia Lopes.jpg

 

Filha de pai bissau-guineense, diplomata e músico, e de mãe de família tradicional da cidade da Praia, nascida na cosmopolita cidade do Mindelo e fazendo parte da geração da pós-independência, Sónia Lopes é uma mulher e artista de muitas vivências e aberta ao mundo.

 

Neste álbum a artista assume na plenitude a sua cultura e identidade crioula como resultado das suas vivências de infância nesses dois espaços e da exposição a que foi sujeita ao longo da sua adolescência e juventude morando e estudando no estrangeiro.

 

Esse “Nhâs Padás” é o resultado das experiências culturais e musicais que Sónia Lopes foi assimilando nessas suas andanças “ta rolá na mapa”, da América – Estados Unidos, México e Brasil – da Europa, principalmente Portugal, e, claro, da África, fixando-se no chão destas ilhas atlânticas e na sua cultura originária. E o resultado dessa vivência e de mistura de ritmos é ao mesmo tempo profundo e inovador, porque de mistura do jazz afro-latino com o batuco e o colá, num convívio enriquecedor e harmonioso do tradicional com o moderno.

 

Neste trabalho tudo é pensado no mais ínfimo pormenor e nada é deixado ao acaso, provavelmente nem o facto de ter sido eu o escolhido para ser o seu apresentador.

 

Os compositores, Djoy Amado, Maruca Tavares, Remna Schwarz e Henrique Rodrigues; os temas selecionados, ‘Azul’, ‘Kauberdi’, ‘Tchur di Ngido’, ‘Kabesa na Badju’, ‘Chinoi’ e ‘Parcer’; os músicos de diversas proveniências, Galiano Neto e Chalo Correia, de Angola, Braima Galissá, da Guiné-Bissau, Francesco Valente, da Itália, João Firmino, João Mouro e Ricardo Gouveia, de Portugal, Felipe Santo, de São Tomé e Príncipe; os instrumentos escolhidos, o clássico, o tradicional e o moderno, revelam diversidade e harmonia e transmitem autenticidade de quem sabe o que quer transmitir e imprimir a sua marca.

 

Neste trabalho chamou-me atenção as letras das canções, porque actuais, de caracterização social, com imagens fortes e ousadas e politicamente incorrectas. Dou como exemplo “Cabeça na Badju”, de Maruca Tavares, escrita em 2015, que poderia ser música e hino de campanha:

 

Prato cudjer sissi, panela

sem lumi na cassa

família

bariga basiu

 

Fraku sem trabadju

cabeça na badju

dia i noti, tamanhu

sem soluçon.

 

Ka nhos txoma m pa ba bebi

Pa m pode skeci

ka nhos labanta m spritu

si nem bafa ka tem

 

N ka ta djuga ku pedra

pa mo me garrafa

ma, me é chefi família

N ka kre iluson

 

Ami n kre trabadju

Pan bebi nha suor

pan toma banhu, pan kume

pa txapa nha kaiça (pan raboka nha cassa)

 

N ka kre saku simenti

Nem dos konto e kinhentu

N kre kalu na mo

Pan ganha nha dia

 

Pan kume, pan bebe, pan bisti, pan passia, mo na bolsu pan sibia

pa ka txoman djosé

pamo me alguém

 

Pa nha fidju ba scola, pa kria nha bitxus,

pan símia nha lugal

pan reforça nha garnel, pa nha mudjel

 

Atrevo-me a dizer que “Nhâs Padás” é a captação fragmentada da alma genuína da artista Sónia Lopes, que se apresenta inteira, dando voz e participando na direcção artística e musical e também nos arranjos.

 

Música, Maestro!

 

“Cabeça na Badju”, composição de Maruca Tavares

 

Manuel Brito-Semedo

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Djack

    A primeira medalha faz-me muita "manha", porque nã...

  • Manuel Brito-Semedo

    Caro Zé Hopffer, Excelente! Terei isso em consider...

  • Anónimo

    Esqueci-me de me identificar no comentário anterio...

Powered by