Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Pirinhas-das-Ilha

Brito-Semedo, 10 Mar 17

 

Rebuçados 2.jpg

 

 

Para ti, Mulher

 

 

Nestes últimos dias tenho andado com saudades e às voltas com as pirinhas-das-ilha da nossa infância.

 

Vamos lá a ver se encontro alguma dessas pirinhas neste meu bolso sem fundo e no meio destas tralhas todas que são a minha memória – botões, pratins (caricas) e bolinhas de vidro para jogo de berlinde, tiras de borracha para fazer forquilha, cordel para apanhar pardal, giz para desenhar no passeio, fio de nylon para pescar e outras coisas mais.

 

As imagens e o sabor chegam-me desfocados, porque de há quase sessenta anos!

 

Para a precisão das informações e afinação das imagens desse tempo de diazá recorro normalmente ao meu amigo Valdemar Pereira, a viver em Tours, França, que foi colega da minha Mãi Xanda. Sim, esse mesmo, o Val do Nhô Hermínio e Nha Maninha, que moravam na casa de esquina na rua por trás da minha, do lado contrário da Nha Tereza. Lembras-te, Tchalê?! Pois, fui-lhe bater à porta/e-mail de novo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Fátima Bettencourt.jpg

 

 

Não podendo oferecer uma rosa a cada cabo-verdiana, deixo a cada uma este meu texto com o qual brindo um Março de amor.

 

Fátima Bettencourt

 

 

 

Semeei na poeira árida do tempo para colher um poema ardente. O meu chão escalavrado foi fecundado pelo sémen de um amor eterno, sobrevivente de décadas de pó, guerras, utopias, revoluções, sonhos, ideais, hinos, bandeiras, cravos, espigas, ameaças atómicas, derrocadas, muros, cortinas, vulcões, maremotos, dilúvios, secas, fomes, desolação, dor e morte.

 

A terra prenhe me devolveu, embrulhado no poema, um arco-íris, um buquê de mal-me-queres, uvas di Chã di Mostero, passarinha di pena azul, néva detado na terra de Eugénio, ternura, mormaço, sol e maresia. Foi a festa! É a festa que partilho com as mulheres do meu país.

 

Manhã cedo saio à rua e no orvalho sereno das plantas reconheço uma força cósmica e me invade a certeza de que faço parte dela.

 

Manhã cedo, enquanto caminho pelas bermas, a vida me anima e me segreda madrigais.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Joaquim ALMEIDA

    Inteiramente de acordo com a Gilda !.A mais bela c...

  • Anónimo

    Monte cara também,seria um bom nome para a nossa c...

  • eduardo monteiro

    Mindelo a minha eterna enamorada, a vida verdadeir...

Powered by