Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Rodiá currintim na ded

Brito-Semedo, 19 Mai 17

  

Manuel d'Novas, Anos 70.jpg

Frank Cavaquim_01.jpg

 

 

Rodiá um currintim na ded

E puli es rua d’Soncente

Sô ta criticá na vida d'gente

Espiá trabóie d'home ta fazês mêde[1]

 

“Holandeza q’certeza”, Coladeira

 

Ó Frank bô ê tão mau

Deus ta na céu quê pal oiá[2]

 

“Resposta Menininhas d'Monte Sossego”, Coladeira

MANUEL D’NOVAS

 

A coladeira é um género de música nascido nos anos 1930, consolidando-se nos anos de 1940 e 1950, atingindo o seu auge nas décadas de 1960 e 1970.

 

Com dois polos de desenvolvimento, São Vicente, Mindelo, com Gregório Gonçalves [Ti Goi] (São Vicente, 1920 – 1991), Francisco Vicente Gomes [Frank Cavaquim] (Santo Antão, 1927 – 1993) e Manuel Jesus Lopes [Manuel d’ Novas] (Santo Antão, 1938 – 2009); e Santiago, São Domingos e Praia, com Fulgêncio Tavares [Ano Novo] (Santiago, 1932 – 2004) e Abílio Barbosa Évora [Bilocas] (Praia, 1938 – 1988), a coladeira caracteriza-se por retratar nas suas letras o dia-a-dia das gentes do povo, as peripécias do amor, as paródias, os ridículos, as suas “riolas”, de uma forma satírica e, por vezes, picante.

 

Ti Goi, Frank Cavaquim e Manuel d’Novas, para além dos seu dons de compositor, tinham facilidade e tempo para observar o que acontecia à sua volta captando situações que transformaram em belíssimas coladeiras.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Meu Avô Cabrêr – Estória

Brito-Semedo, 2 Mar 17

 

Bubista.jpg

 

 

Em memória da Mãi Xanda

 

 

Na estória da família da Mãi Xanda (São Vicente, 1936 – 2009), sempre me intrigou a figura do meu avô, João Fidélis Brito, homem simples e carpinteiro, que não cheguei a conhecer porque faleceu cedo, quando a filha tinha 7 para 8 anos, diazá na munde, nos idos de 1944.

 

Farrapos de memórias desse meu avô chegaram a mim de forma esbatida pela linha feminina, através da minha avó Ma Liza e da minha Tia Tá, na verdade, prima direita mais velha da minha mãe:

 

… Pai que, aos sábados, tocado pela bebida, calcorreava a morada e os bairros todos com a filhinha no catxacin

 

… Carpinteiro conhecido e muito procurado porque bom fazedor de caixão, que levava as sobras de alparca (tecido barato de algodão ou viscose, fino e brilhante), para fazer vestidinhos à filhinha querida …

 

… Carpinteiro que caiu de um primeiro andar na morada, na Rua São João, quando colocava as culmeiras na casa de Nhô Gûste Maderênce, de que viria a falecer com 37 anos …

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

Powered by