Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

José Lopes

Brito-Semedo, 3 Abr 13

 

Jojsé Lopes.jpeg

 

 

Nasceu na vila da Ribeira Brava, S. Nicolau, a 15 de Janeiro de 1872. Entrou para o Seminário-Liceu de S. Nicolau aos 10 anos, em 1882, onde estudou durante 5 anos.

 

Em 1900, depois da sua estada na Boavista, é transferido para a ilha de Santo Antão, onde exerce o professorado até o ano de 1928, ano em que, por distinção, o Coronel Guedes Vaz, Governador na altura, o nomeia Professor do Liceu Infante D. Henrique, onde regeu as disciplinas de Latim, Francês e Literatura Francesa, entre outras.

 

Colaborador de quase todas as publicações existentes em Cabo Verde no seu tempo, quer como poeta quer como jornalista. Reúne parte da sua obra, que é publicada no ano de 1927 com título de Jardim das Hespérides. No ano seguinte publica o seu livro mais importante, Hespérides, onde figuram a poesias em português e inglês. Posteriormente publica várias obras, entre as quais Ombres Immortateles, uma colectânea de sonetos em Francês.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Recordando o Poeta José Lopes

Brito-Semedo, 1 Out 11

 

José Lopes.jpeg

Foto Arquivo Histórico Nacional (IAHN), Praia

 

 

Professor e Poeta José Lopes da Silva

 

(São Nicolau, 15 de Jan. de 1872 – 02 de Set. de 1962)

 

 

 

Natural da ilha de S. Nicolau, onde nasceu em 1872, José Lopes da Silva aprendeu a ler com o cónego Machado e estudou no Seminário-Liceu, cujo curso completou e foi aluno do cónego Joaquim da Silva Caetano.


Autodidacta, mais tarde aprendeu por si mesmo a língua inglesa. Na sua ilha natal privou com poetas e intelectuais como Custódio José Duarte e Alfredo Troni.

 

Sendo órfão de pai, teve que procurar trabalho desde cedo e começou por assentar praça, aos quinze anos, em 1887, na 1.ª Companhia de Polícia na Praia, onde conheceu e foi amigo dos poetas Guilherme Dantas e Luiz Medina de Vasconcelos. Depois foi colocado em S. Vicente, mas desistindo da carreira militar foi para a ilha da Boa Vista onde se casou.

 

Em 1891 emigrou para Angola, a  convite de Alfredo Troni, que o empregou na sua fazenda de Hoco, no Cazengo, tendo também trabalhado em Oeiras, próximo do rio Lucala. Esta foi a sua única ausência do arquipélago durante toda a sua vida. Acometido por uma grave biliosa, regressou a Cabo Verde para nunca mais abandonar as suas ilhas. Voltou à cidade da Praia onde trabalhou na Casa Serra.

 

O Governador Serpa Pinto, que apreciou as suas qualidades literárias, nomeou-o professor do ensino primário e foi colocado na ilha da Boa Vista. Ali viveu seis anos (1894-1900) durante os quais desenvolveu uma intensa actividade cultural.

 

Foi transferido para a Escola Principal da Vila de Ponta de Sol, ilha de Santo Antão. Nesta ilha, onde viveu 28 anos (1900-1928) e foi professor do futuro catedrático Martinho Nobre de Melo, manteve, pelo menos desde 1900, uma escola particular do ensino das línguas francesa e inglesa e de História e Geografia, escola que o governo da província subsidiou desde aqule ano tendo em conta quer o ensino na referida escola era profícuo o que se provava pelo elevado número de alunos apresentados a exame nas matérias leccionadas pelo referido professor.

 

Por nomeação do Governador, que também era poeta, foi por três anos (1928-1931), professor do Liceu Infante Dom Henrique, na ilha de S. Vicente, onde se reformou e passou a viver.

 

Foi agente consular do Brasil e da França e possuía condecorações nacionais e estrangeiras como a comenda da Ordem do Infante Dom Henrique, que lhe foi entregue na sua própria casa pelo então ministro do Ultramar Adriano Moreira, em 1962; a Legião de Honra da França foi-lhe conferida pelo General de Gaulle (pelo seu soneto “La France”, escrito durante o período da Resistência na 2.ª Guerra Mundial); foi elevado ao grau de Pupilo do Império Japonês pelo imperador Hiro-Hito (pelo seu poema heróico em louvor do Japão a propósito da Guerra Russo-japonesa, 1905); o seu poema “Helvétia” foi declarado património da Suíça; foi admitido nas Academia Francesa, etc.

 

Por Decreto Presidencial N.º 3/95, de 2 de Fevereiro, foi agraciado, a título póstumo, pelo Presidente da República de Cabo Verde, Dr. António Mascarenhas Monteiro, com o Segundo Grau da Ordem do Dragoeiro e a Primeira Classe da Medalha de Mérito. Na cidade do Mindelo tem um busto em sua memória numa praça com o seu nome, perto da casa onde residiu.

 

SN.jpeg

Ribeira Brava, S. Nicolau, Berço Natal do Poeta José Lopes

 

 

– Informações recolhidas na obra de João Nobre de Oliveira, A Imprensa Cabo-Verdiana. 1820-1975. Macau, Fundação Macau e D.S.E.J., 1998

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Ariel

    Muito bom o livro! 

  • Anónimo

    Muito obrigada por nos presentear com estas inform...

  • Léo

    Olá, realmente esse ritmo é contagiante, fico me i...

Powered by