Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

 

Dô di dô 1.jpg

Grupo "Lombianos", do Carnaval no Mindelo, anos 40/50. Foto arquivo Jorge Martins

 

 

Ao Amigo Humbertona, uma fonte de memórias

 

 

Já-m conchia São Vicente
Na sê ligria, ne sê sabura
Ma'm ke pud fazê ideia
S'na carnaval era más sab

São Vicente e um brasilin
Chei di ligria, chei di cor

……………….

 

Eu já conhecia São Vicente
Na sua alegria, na sua vida agradável
Mas não fazia ideia
Que no Carnaval ainda era melhor

 

São Vicente é um pequeno Brasil
Cheio de alegria, cheio de cor

……………….

 

 

Que “São Vicente é um brasilin”, o trovador Pedro Monteiro Cardoso Rodrigues (n. Fogo, 11.11.1945) já o tinha dito e Cesária Évora, a nossa Cize, levou essa ideia a dar a volta ao mundo, isso já toda a gente sabia.

 

Que o Carnaval do Mindelo é em tudo parecido com o Carnaval do Rio de Janeiro, muita gente também já o sabia.

 

Que foi um “alumbramento” para os nossos escritores regionalistas claridosos descobrir a moderna literatura brasileira, muita gente já o sabia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rapa, Tira, Deixa e Põe

Brito-Semedo, 29 Jan 16

 

Rapa.jpeg

 

 

 

Para o Amigo Mário Silva, Rapaz do meu tempo

 

 

A política cabo-verdiana está a parecer o jogo infantil do Rapa em que o Governo dispõe de uma mãozada de feijões, põe o piãozinho do Partido a rodar e é o que o Chefe quiser: Rapa, Tira, Deixa e Põe.

 

O Jogo do Rapa, que se crê ter por origem no Dreidel, um jogo tradicional judaico, é ou foi um jogo infantil tradicional muito popular em Portugal.

 

Para se jogar ao Rapa é necessário um pião em madeira de quatro faces, um piorra (um pião muito pequeno), e um punhado de feijões, pedras, moedas ou o que se quiser.

 

As regras do jogo são simples. Para começar, cada um dos jogadores coloca em jogo um feijão. E, à vez, cada um vai jogando o dado. O T é de Tira e o jogador tira um feijão. O D é de Deixa e tudo fica igual. O P é de Põe e o jogador deve colocar no meio mais um feijão. O R, claro, é de Rapa e o jogador rapa o jogo, ou seja, recolhe tudo.

 

A verdade é que o Jogo do Rapa fazia com que muitos miúdos se sentissem milionários com um punhado de feijões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Esquecer!? Ninguém esquece…
Suspende fragmentos na câmara escura, que se revelam à luz da lembrança...

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Jornalista e Poeta Eugénio Tavares

Comunidade

  • Reyan

    Só música de qualidade! Instrumentos de corda real...

  • Anónimo

    Oi sou cabo-verdiano, estou aqui de passagem, esto...

  • Regiane

    Exelentes musicas . Me faz recordar o tempo do meu...

Powered by